Blog de enoquerodrigues


O BREJO E SUA GENTE VIII – JOÃO BAWDEN

O BREJO E SUA GENTE VIII – JOÃO BAWDEN

*Enoque Alves Rodrigues

Quando em março de 1931, Jacinto Silveira passou ás mãos do médico Paulo Cerqueira Rodrigues Pereira a direção do município de brejo das Almas depois de sua nomeação pelo presidente Olegário Maciel, pouco ou quase nada se sabia do indicado, na verdade, até aquela ocasião, um médico de renome em Belo Horizonte. Realizou, no entanto, uma eficiente administração não obstante ter presidido o município por apenas oito meses quando foi transferido na condição de médico leprólogo, para a Colônia Santa Izabel, em Belo Horizonte. Assim sendo faço aqui este sucinto relato apenas para registrar sua passagem pela Prefeitura do Brejo em virtude do muito que realizou não obstante o pouco tempo que a ocupou. Construção do matadouro ás margens do rio são domingos, inicio do nivelamento das ruas e praças, reparos nas estradas que dão acesso ao interior do município, fiscalização do ensino, reforma do cemitério, etc., são algumas obras de sua bem-sucedida administração.

Nascido no século 19, durante o império, filho do médico, político influente (quatro vezes governador do estado de Minas) e minerador Doutor Antônio Teixeira de Sousa Magalhães e de dona Maria Angelina Bawden, os barões de Camargo, uma das mais ricas famílias da cidade de Mariana, em Minas Gerais, João Bawden Teixeira teve onze irmãos e desde a infância já trazia no sangue o vírus benevolente da mais pura e tradicional política mineira, na qual fora introduzido pelo pai, onde a palavra dada sobrepunha a todo e qualquer documento. Ainda adolescente matriculou-se na Escola de Minas, berço da nata abastada, em Ouro Preto, de onde saiu após se formar Engenheiro Geógrafo, com 23 anos de idade. Muito tempo depois se transferiu para Montes Claros onde juntamente com os coronéis João Martins da Silva Maia, Virgílio Machado e os engenheiros José Bawden Teixeira (seu irmão), Nelson Washington da Silva e ele João Bawden Teixeira fundaram nesta Cidade a empresa de engenharia Maia, com a qual construiu centenas de quilômetros de estradas de rodagens sertão á dentro, quando, finalmente, por mera casualidade, ou seja, quando realizava levantamentos topográficos por uma “picada” quando menos se esperava, viu-se em pleno centro de um simpático povoado pelo qual de cara se apaixonou. Era o Brejo das Almas com o seu famoso amontoado de pequenas casas e empoeiradas ruas. Ali ele passou a residir “de passagem”. Assim nós mineiros definimos as localidades aonde nos encontramos em trânsito por que não pretendemos fixar residência, mas, que no caso do Dr. João Bawden tal colocação não funcionou, por que a cada dia que se passava tornava-se cada vez mais potente o seu amor pelo Brejo ao ponto de lá permanecer do final do ano de 1930 até o dia da sua morte ocorrida dois dias antes do Natal de 1937.

Na introdução do meu livro “O Brejo das Almas em Crônicas” faço um pequeno passeio pelas origens das mais tradicionais famílias que residem no Brejo das Almas, hoje Francisco Sá. Como a maioria dos sobrenomes que povoam até os dias atuais o Brejo das Almas descende de Ouro Preto, Vila Rica e Mariana, o Doutor João Bawden Teixeira também acabou por se juntar a essas famílias no Brejo. Tornou-se amigo incondicional do coronel Jacinto que em virtude do agravamento do mal de Parkinson já estava se afastando da política, assim como do atual prefeito, o médico doutor Paulo Cerqueira Rodrigues Pereira e das mais importantes forças políticas regionais. Quando o Doutor João Bawden tomou conhecimento do afastamento do prefeito Doutor Paulo Cerqueira correu até a casa do coronel Jacinto solicitando-lhe, com humildade, que o indicasse como substituto do Doutor Paulo Cerqueira de quem ele era admirador pela maneira como conduzia a gestão do município e pela forma arrojada de trabalhar, salientando, ainda com modéstia, suas experiências como engenheiro e que pretendia, com toda sinceridade, dar continuidade aos projetos iniciados pelo Doutor Paulo Cerqueira bem como empreender novas benfeitorias no sofrido município. Várias vozes se levantaram contra o pleito do Doutor Bawden. Ninguém ali conhecia o seu passado. Também pudera: O doutor Bawden não era do lugar e acabava de ali chegar. Estou me referindo ao final do ano de 1931. Sequer imaginavam que por trás daquele homem riquíssimo apesar de aparência simples, existia uma longa e muito bem consolidada carreira politica que começou ainda jovem, em Mariana, como vereador, passando por todas as escalas, de maneira que em 1903 já era senador da República recentemente proclamada por Deodoro, em 1889. As lideranças politicas locais encontravam-se “rachadas” pau a pau ou meio a meio como queira. O fiel da balança ali estava difícil de achar e a tal “metade e mais um” que decide tudo em nossas vidas ali não se manifestava. Escafedeu-se. Não dava o ar da graça. Jacinto apenas endossou o desejo do Dr. João, mas, como eu já disse doente, não se envolvia mais com política. Á favor, Sebastião Bessa e seu grupo puxavam de um lado, enquanto que do lado contrário o grande Rogério da Costa Negro e seu grupo também puxavam com vontade. O argumento de Rogério era robusto e indestrutível: O doutor João Bawden que havia nascido em berço de ouro em local distante era pouco afeito ao trabalho e não cumpriria com suas promessas por que era demasiado boêmio e não seria responsável o suficiente para zelar pelas coisas do município.

Rachados e intransigentes entraram todos para a reunião promovida no Brejo das Almas pelo Partido Republicano Mineiro em casa do próprio Sebastião Bessa e depois de acirrada discussão Rogério da Costa Negro ainda se mantinha irredutível em sua posição. Foi quando alguém ali temeroso por entregar ás rédeas do destino do município em mãos estranhas, para surpresa de todos os presentes, surgiu em meio aquela reunião, ostentando um empoeirado exemplar do Jornal “Liberal Mineiro”, da Cidade de Ouro Preto, pertencente ao Partido Liberal, que em sua edição de número 93, do dia 16 de agosto do ano de 1884, na “seção parlamentar” do dia 07/08/1884 se registrava, clara e evidente, a seguinte menção honrosa alusiva ao “desconhecido” doutor João Bawden: “é dotado de sentimentos de nobreza e dignidade. É essencialmente caritativo, amigo sincero e extremado, está sempre pronto a acudir (socorrer) com prazer a voz da amizade e aos reclamos da pobreza de quem ele é um firme sustentáculo (benfeitor). Como as sementes, os grandes sentimentos precisam de terrenos e estações próprias para vingar e florescer no coração do nosso magnânimo e ilustre democrata, que é um sacrário de virtudes e por isso florescem exalando perfume nos corações que sabem conhecer a altura dos seus merecimentos...”.

Era só o que faltava. Contra fatos não há argumentos já dizia uma sábia raposa da politica mineira de nome José Maria. As forças agora se alinhavam em torno de João Bawden que acabou tendo o seu nome referendado como prefeito substituto do Brejo das Almas em Janeiro de 1932, consecutivamente.

Quando Vargas determinou eleições gerais constitucionais o Dr. João Bawden diante do muito que havia realizado pelo Brejo das Almas foi aclamado e eleito pelo povo prefeito constitucional. Mesmo após o Presidente Getúlio Vargas a 10 de Novembro de 1937, consumar o golpe de estado que lançou o País numa ditadura cruel e sanguinária e depois de promover uma verdadeira caça ás bruxas, com milhares de prisões e destituições violentas de políticos guindados constitucionalmente ao poder pelo voto popular, não encontrando no Brejo das Almas nada que desabonasse a conduta imaculada e transparente do prefeitão “bom de trampo” Doutor João Bawden, não lhe restou nenhuma alternativa que não fosse confirma-lo no cargo de prefeito que já ocupava. Infelizmente, agora, pouco tempo ele teria naquela nova gestão, porque vitimado por um ataque de angina veio a falecer no cargo no dia 23/12/1937 quando foi substituído pelo Dr. Arthur Jardim de Castro Gomes, aqui já retratado. Como justa homenagem ao homem que tanto dignificou a nossa terra o povo Brejeiro exigiu que o seu corpo nela fosse sepultado.

Hoje, ao ver em meu Brejo das Almas, ruas e praças com suas placas ostentando o nome do Doutor João Bawden eu me pergunto: qual seria, ao certo, a porcentagem de Brejeiros locais que saberia resumir em poucas palavras a importância que teve este nome para a nossa cidade?

Acredito que poucos.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo.


Escrito por enoquerodrigues às 21h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, VILA PRUDENTE, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Arabic, Livros, Música
Outro -
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  City Brasil_Enoque_Francisco Sá
  http://enoque.rodrigues.zip.net/
Votação
  Dê uma nota para meu blog