Blog de enoquerodrigues


O BREJO E SUA GENTE X - FELICIANO OLIVEIRA

O BREJO E SUA GENTE X – FELICIANO OLIVEIRA


*Enoque Alves Rodrigues


O conteúdo físico que possuo sobre Feliciano Oliveira, resultado de pesquisas insones dos velhos tempos em que “ainda se compulsavam livros”, é tão robusto que mesmo tendo deixado para referi-lo por ultimo, nesta série com a qual considero finalizada minha modesta colaboração ao povo de minha terra, ainda tive de reduzir para não exceder as 1240 palavras deste espaço e não ofuscar personalidades anteriormente mencionadas de igual importância para a nossa cidade de Brejo das Almas ou Francisco Sá. Filho do fazendeiro e político de renomada liderança local da UDN, Lauro Oliveira, Feliciano nasceu no Município de Brejo das Almas onde iniciou sua longa vida pública a qual sempre esteve voltada para a qualidade. Ao contrário de alguns que o antecederam na Prefeitura do Brejo, assim como de uma boa parcela de seus contemporâneos, Feliciano sempre foi de fidelizar a excelência em todas as suas realizações. 


Menino, ainda, colaborava com o pai na administração da produtiva fazenda quando já sonhava ter em mãos ás rédeas dos destinos do Município de Francisco Sá. Com doze anos, a contragosto, foi enviado para estudar em Montes Claros e Depois Belo Horizonte, retornando ao Brejo depois de concluir seus estudos. Determinado a seguir carreira na politica, estabeleceu como Quartel General a própria fazenda do pai. Dali ele disparava petardos á políticos de renome e farta projeção local informando sobre sua intenção de se candidatar a algum cargo eletivo por onde certamente conseguiria ser útil a sua Cidadezinha de Brejo das Almas que amava. Feliciano, assim como a maioria de nós, Brejeiros, era um eterno inconformado com certos privilégios que outras cidades vizinhas tinham em detrimento de nosso Brejo das Almas ou Francisco Sá. 


De seu posto de observação na fazenda encravada entre as montanhas Brejeiras refletia e matutava, com inquietude juvenil, o quanto a Política Social havia sido cruel para com sua terra e sua gente. De vida simples, mas abastada com aquilo que a terra mãe produzia, não conseguia entender e aceitar passivamente os motivos pelos quais poucos tinham tanto enquanto muitos não tinham nada. De onde, meu Deus, havia brotado tanta miséria?


- “Prefeito Feliciano, o senhor só vai conseguir ajudar a sua cidade e o seu povo se for um excelente prefeito. O Brejo das Almas já teve muitos prefeitos bons anteriores ao senhor e veja, entretanto, onde ainda estamos...” Sonhava!


- “Deputado Feliciano, se o senhor não mudar sua forma de legislar revendo este seu pendor para com os pobres vai ser muito difícil ver aprovado algum projeto seu...” Seguia sonhando!


Feliciano sabia de antemão o quão infrutíferas seriam quaisquer tentativas suas em busca da concretização do sonho de ser prefeito de Francisco Sá sem bases políticas e plataformas sólidas de preferência lastreadas no seio das mais tradicionais famílias do Brejo cuja militância politico administrativa de resultados positivos já se encontrava inquestionavelmente solidificadas desde a fundação do lugar. E disparava os seus petardos em forma de bilhetinhos os quais eram endereçados aquelas famílias que, no entanto, relutavam em aceita-lo. Quando, finalmente, conseguiu romper a resistência ao seu nome no seio dos “Dias”, “Pereira”, “Penna” etc., soube que o mesmo não fruía de receptividade fácil entre os “Silveira”. Ele tinha pedigree no sangue, pois o pai era político, mas nenhuma tradição ou experiência que o identificassem com os anseios da maioria. Necessitavam, ali, de alguém com mais cabedal de conhecimento e comprovada eficácia administrativa. As dificuldades e mazelas do Brejo exigiam muito mais que um jovem idealista e sonhador. A história dá como tutor político de Feliciano certo cônego de nome Sebastião. Mas como veremos mais adiante, ele apenas o iniciou nesta arte, abrindo-lhe ás portas ao utilizar-se de seu valioso carisma e prestigio com os quais lhe apresentou junto aos “Silveira”. Tutor do jovem Feliciano mesmo foi o grande Enéas Mineiro de Sousa, pois, uma vez convencido dos reais propósitos de Feliciano, não mediu esforços no sentido de ajuda-lo a torna-los realidade.


Orador eloquente, capaz de levar ás lágrimas multidões de pessoas, muito bem articulado, pausado no falar, cuidadoso com as palavras e convincente, aos poucos Feliciano conseguiu conquistar a confiança de todos inclusive do próprio Enéas Mineiro, uma sólida e poderosa liderança local que, apenas para prestigiar Feliciano, cedeu-lhe a “cabeça de chapa” numa demonstração de humildade, generosidade, desapego e grandeza do Capitão, que naquele pleito eleitoral se candidatou a vice-prefeito de Feliciano, tendo ele, Enéas, puxado quase todos os votos que elegeria vitoriosa aquela chapa: Feliciano Oliveira finalmente sagrava-se Prefeito de Francisco Sá (1947-1950) com expressiva votação e o mais importante: o seu vice era ninguém menos que o homem mais poderoso da região, um corajoso e destemido desbravador e empreendedor nato oriundo do nordeste do Brasil tendo de lá saído pobre para trabalhar duro e fazer fortuna no norte de Minas: Enéas Mineiro de Sousa.


O jovem Feliciano tinha boa vontade e coragem para realizar, mas não tinha experiência e nem sempre sabia como fazer. Nos momentos de insegurança e incerteza o capitão lhe dizia: “vai, moço. Faça a sua parte. Coloque sempre á sua frente os nobres ideais que o motivaram e trouxeram até aqui que eu me encarrego de concretizá-los junto com você!”.


Dito e feito.


Realizaram uma excelente e profícua administração na Prefeitura Brejalmina.

No pleito seguinte encontramos Feliciano Oliveira retribuindo ao seu benfeitor a mesma gentileza de outrora. Agora era o próprio Feliciano, experiente e realizador, o vice de outro iniciante na Política, mas imbuído de desejos de mudanças, filho de Enéas, de nome Pedro Mineiro de Sousa (1951-1954). Como da vez anterior, e como não podia deixar de ser, aquela dobradinha reversa conseguiu ser igual ou ligeiramente melhor que a anterior. Obras importantíssimas saíram do papel, materializando-se em benefício da população. Diziam as “boas línguas brejeiras” que administração igual àquela só a do “doutor Jardim.”. Não obstante não ter sido contemporâneo dessas administrações (tinha eu somente um ano em 1954), conheço-as muito bem pelos escritos que li, e, principalmente, pelo que me falava o meu saudoso avô que tinha o vezo de comparar gestões passadas.


As administrações bem-sucedidas de Feliciano Oliveira frente á Prefeitura de Francisco Sá, quer como Prefeito ou vice, proporcionaram ao nosso Município grandes saltos de qualidade rumo ao progresso célere e eficaz guardada as devidas proporções de morosidade das coisas, feitos e fatos inerentes á época. Tanto é verdade que foram suficientes para que Feliciano Oliveira, uma vez mais, ou seja, consecutivamente, aliás, acontecimento este inédito até os dias atuais, conseguisse se reeleger Prefeito de Francisco Sá com excelente votação nos pleitos de 1954 (final de seu mandato de vice), para o próximo período de 1955-1958. Tinha ele neste quadriênio administrativo como seu Vice um gigante e competente homem público, filho de Jacinto, orgulho das Alterosas.


Mais uma vez grandes metas foram batidas e índices de qualidade de vida antes inatingíveis fizeram-se presentes. Feliciano consolidava na Prefeitura do Brejo das Almas os seus sonhos de menino. O ótimo trabalho, a experiência, o reconhecimento e o respeito políticos conquistados lhes credenciavam, certamente, a alçar voos mais altos por outras plagas muito além das fronteiras de seu querido Brejo das Almas. Ali ele poderia multiplicar por milhares os beneficiários de sua luta e empenho em prol dos mais carentes não somente em seu torrão natal.


Foi exatamente o que ele fez. Diga-se, com muito sucesso!


E tenho dito.


*Enoque Alves Rodrigues é Brejeiro.


Escrito por enoquerodrigues às 13h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE IX - BENJAMIM FIGUEIREDO

O BREJO E SUA GENTE IX - BENJAMIM FIGUEIREDO

 

O BREJO E SUA GENTE IX – BENJAMIM FIGUEIREDO

*Enoque Alves Rodrigues

Entre os cinco últimos prefeitos que ocuparam a Prefeitura de Francisco Sá no regime intervencionista, ou seja, Dr. Antonio Tenório, Dr. Benjamim Marinho Figueiredo, Cel. Francisco Ataíde, Dr. Othon Novais e Dr. Aníbal Serra, antes de chegarmos ao grande Feliciano de Oliveira Penna no inicio do período de redemocratização do Brasil, farei um breve relato nesta minha crônica do mês de Setembro-2015 á figura do Belo-horizontino de nascimento e Brejeiro por convicção Dr. Benjamim Marinho Figueiredo não só em virtude da relevância de sua bem-sucedida administração, mas, também, ou quiçá, principalmente, pelo seu imenso e incondicional amor que sempre demonstrou para com o Brejo e sua gente, por que nem mesmo depois de ter sido vitima de traições politicas de um deputado antigo correligionário seu, que serviram para abreviar a sua gloriosa gestão no auge de grandes realizações, radicou-se em Montes Claros de onde obtinha informações da politica e administração do Brejo, mantendo-se sempre á postos para colaborar a qualquer momento com quem quer que fosse o prefeito, somente pelo simples desejo de seguir servindo ao nosso povo. Por várias vezes, em noites caladas e silenciosas, humilde e discretamente, sem ser notado, visitava o Brejo das Almas, àquela altura Francisco Sá, postando-se em frente a serra do Catuni de onde observava as paisagens adjacentes, retornando, invariavelmente á Montes Claros antes do amanhecer.

A indicação de Benjamim Figueiredo para Prefeito de Francisco Sá foi feita pelo Governador do Estado de Minas Gerais Benedito Valadares. Naquela época esta era uma das prerrogativas dos governadores de estado. Tudo normal, não fosse á forma confusa, incoerente e desastrada do governador ao tomar sua decisão que acabou por tumultuar todo o processo da indicação e talvez residam ai ás resistências e dificuldades que Benjamim enfrentaria uma vez empossado Prefeito, que certamente contribuíram para aflorar invejas e vaidades alheias que culminaram com a interrupção de sua excelente gestão.

Contrassenso? 

Não!

Realidade.

Sou um modesto executivo da Engenharia. No entanto, entendo, que sempre que alguém se propõe a escrever alguma coisa, até mesmo por respeito aos poucos que o leem, não pode, jamais, ocultar os fatos que causaram suas consequências como também deve se abster de dourar a pílula dando ao personagem retratado virtudes que não teve ou tem. Lealdade aos fatos e respeito a quem lê são premissas básicas de uma formação razoável.

Antes de optar pela indicação de Benjamim Figueiredo, o Governador Benedito Valadares havia dado a sua palavra ás principais lideranças politicas do Brejo, divididas em duas correntes opostas sob o comando dos irmãos Dias, de um lado João de Deus e do outro Gentil Dias apoiado por Osmani Barbosa, (PSD – UDN), garantindo que o indicado seria Filomeno Ribeiro, da região e aceito por todos ali por unanimidade. A robustez e comprometimento de um líder político local daquela época não se media com qualquer aparelhinho “Xing-ling” como se faz hoje. O cara valia o quanto pesava e o seu peso era aferido pela palavra dada e cumprida. Se o sujeito tinha crédito, se sempre cumpriu com a palavra, todos nele confiavam cegamente até o dia em que deixasse de cumpri-la.

- Fulano falou que até o dia 32 de dezembro deste ano vai fazer jorrar ouro do morro do mocó!

Todos acreditavam. Mesmo sabendo que o mês de dezembro só tem 31 dias, preferiam aguardar até o último dia do mês para ver o que aconteceria e só depois disso é que iam rever os seus conceitos de credibilidade sobre o tal fulano.

Foi assim que quando o Governador Benedito, - que evidentemente, não era o santo porreta que conhecemos e que jamais deixou de cumprir uma promessa -, roeu a corda, grande frustração causou a todos os políticos que tinham como liquido e certo a indicação de Filomeno Ribeiro. A decepção era geral não só por que ninguém ali conhecia o novo indicado, mas principalmente pela vergonha e orgulho ferido das lideranças que já haviam se comprometido junto ás suas bases onde disseminaram a indicação infalível de Filomeno que aquela altura já era saudado como o novo prefeito de Francisco Sá. Por onde ele passava era recebido com muita pompa e reverência. O balde de água gelada que o governador “furão” jogou na gente Brejeira e seus lideres com aquela indicação inusitada causou muitos constrangimentos a todos especialmente a Filomeno que viu escapar por entre os dedos a grande oportunidade de ser Prefeito, e ao próprio Benjamim que desconhecia aquela malfadada articulação de bastidores. Mas também serviu para lhe despertar a consciência para a grande responsabilidade que viria assumir assim como para a luta feroz que teria pela frente. Ele tinha de reverter àquela situação de insegurança que pairava sobre sua pessoa apenas por não ser do lugar. O primeiro passo seria se tornar conhecido do povo Brejeiro, pois assim ganharia sua confiança e a melhor maneira de trazer o povo para o seu lado para que ele pudesse se mostrar por inteiro e revelar as suas intenções de realizar o seu melhor seria conquistando, antes, os seus lideres. Foi o que ele fez. Aos poucos e com muita humildade o Prefeito Benjamim Marinho Figueiredo ia pavimentando o seu caminho construindo Obras de impacto social irrefutável. É de sua gestão a implantação do primeiro sistema de abastecimento de águas de Francisco Sá, entre outras. Madrugador, trabalhador contumaz, polido, fluência verbal perfeita, possuía um marketing pessoal de dar inveja aos marqueteiros políticos de hoje, que ao contrário do grande Benjamim, por não terem o que mostrar, mentem, descaradamente.

Havia, entretanto, outra liderança ali. Aliás, diga-se de passagem, a mais poderosa da região, a qual não se simpatizava muito com Benjamim. Jeito matreiro, de pouco falar, apesar de grande articulador, riquíssimo, proprietário de muitas fazendas sendo a principal delas a Fazenda Burarama, hoje uma linda e progressista Cidade que leva o seu merecido e honroso nome. Exercia poder absoluto sobre os destinos do Brejo das Almas, Montes Claros e adjacências. Ele mandava prender e soltar. Era, no entanto, de boa índole e benevolente e ao que se sabe nunca abusou de seu poder e autoridade sobre os menos favorecidos. Parecia justo. Mas estava na política para onde levou também seus dois filhos Pedro e Antonio. Seu nome? Enéas Mineiro de Souza, ou Capitão Enéas. Cito-o neste final apenas para lembrar que no episódio que culminou com a exoneração do Prefeito Benjamim á pedido de um deputado de tendência duvidosa que fundamentou o seu argumento ao fato de ser Benjamim um prefeito “realizador, mas, espalhafatoso”, (referia-se a divulgação que dava ás suas Obras), o Capitão Enéas preferiu não tomar partido. Não se lançou mão sequer de uma bazuquinha de seu poderio bélico. Até ai nada demais se não tivesse na sequência, ou á partir da substituição de Benjamim por Francisco Ataíde, seu correligionário, ter sido ele, junto com Pedrão, seu filho, beneficiários políticos de uma herança abortada no momento em que mais se realizava em prol do povo brejeiro, profícua, arrojada e transparente.

Os homens passam, mas suas histórias ficam.

E tenho dito!

*Enoque Alves Rodrigues é Brejeiro.

Esta série composta por dez capítulos que teve início em Janeiro-2015 será encerrada no próximo mês de outubro-2015 com Feliciano Oliveira.


Alô Brejeiros!!!
É hoje, 05/09/2015, ás 19:00 horas, na Câmara Municipal do Brejo, o lançamento de nossa amiga e conterrânea Karla Celene Campos. “Cadernos de Ediclar” é a sua nova Obra que pelos informes que recebi, nos conduz ao reencontro com a História de nossa Cidade escrita nas ruas, casas, campos e botecos, por seus personagens, muitos já no andar de cima, que a sua maneira a souberam amar, honrar e dignificar.
Sobre esse novo trabalho de Karla, vejam o que diz a grande Diva, maior autoridade no assunto em todo o nosso estado, a doutora Maria Luiza Silveira Teles: http://www.minaslivre.net/site/index.php/85-maria-luiza-silveira-teles/3565-o-passeio-de-karla-celene-e-ediclar-pela-historia-de-brejo-das-almas.
Obrigado!
Um forte abraço a todos vocês!


Escrito por enoquerodrigues às 10h12
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE VIII – JOÃO BAWDEN

O BREJO E SUA GENTE VIII – JOÃO BAWDEN

*Enoque Alves Rodrigues

Quando em março de 1931, Jacinto Silveira passou ás mãos do médico Paulo Cerqueira Rodrigues Pereira a direção do município de brejo das Almas depois de sua nomeação pelo presidente Olegário Maciel, pouco ou quase nada se sabia do indicado, na verdade, até aquela ocasião, um médico de renome em Belo Horizonte. Realizou, no entanto, uma eficiente administração não obstante ter presidido o município por apenas oito meses quando foi transferido na condição de médico leprólogo, para a Colônia Santa Izabel, em Belo Horizonte. Assim sendo faço aqui este sucinto relato apenas para registrar sua passagem pela Prefeitura do Brejo em virtude do muito que realizou não obstante o pouco tempo que a ocupou. Construção do matadouro ás margens do rio são domingos, inicio do nivelamento das ruas e praças, reparos nas estradas que dão acesso ao interior do município, fiscalização do ensino, reforma do cemitério, etc., são algumas obras de sua bem-sucedida administração.

Nascido no século 19, durante o império, filho do médico, político influente (quatro vezes governador do estado de Minas) e minerador Doutor Antônio Teixeira de Sousa Magalhães e de dona Maria Angelina Bawden, os barões de Camargo, uma das mais ricas famílias da cidade de Mariana, em Minas Gerais, João Bawden Teixeira teve onze irmãos e desde a infância já trazia no sangue o vírus benevolente da mais pura e tradicional política mineira, na qual fora introduzido pelo pai, onde a palavra dada sobrepunha a todo e qualquer documento. Ainda adolescente matriculou-se na Escola de Minas, berço da nata abastada, em Ouro Preto, de onde saiu após se formar Engenheiro Geógrafo, com 23 anos de idade. Muito tempo depois se transferiu para Montes Claros onde juntamente com os coronéis João Martins da Silva Maia, Virgílio Machado e os engenheiros José Bawden Teixeira (seu irmão), Nelson Washington da Silva e ele João Bawden Teixeira fundaram nesta Cidade a empresa de engenharia Maia, com a qual construiu centenas de quilômetros de estradas de rodagens sertão á dentro, quando, finalmente, por mera casualidade, ou seja, quando realizava levantamentos topográficos por uma “picada” quando menos se esperava, viu-se em pleno centro de um simpático povoado pelo qual de cara se apaixonou. Era o Brejo das Almas com o seu famoso amontoado de pequenas casas e empoeiradas ruas. Ali ele passou a residir “de passagem”. Assim nós mineiros definimos as localidades aonde nos encontramos em trânsito por que não pretendemos fixar residência, mas, que no caso do Dr. João Bawden tal colocação não funcionou, por que a cada dia que se passava tornava-se cada vez mais potente o seu amor pelo Brejo ao ponto de lá permanecer do final do ano de 1930 até o dia da sua morte ocorrida dois dias antes do Natal de 1937.

Na introdução do meu livro “O Brejo das Almas em Crônicas” faço um pequeno passeio pelas origens das mais tradicionais famílias que residem no Brejo das Almas, hoje Francisco Sá. Como a maioria dos sobrenomes que povoam até os dias atuais o Brejo das Almas descende de Ouro Preto, Vila Rica e Mariana, o Doutor João Bawden Teixeira também acabou por se juntar a essas famílias no Brejo. Tornou-se amigo incondicional do coronel Jacinto que em virtude do agravamento do mal de Parkinson já estava se afastando da política, assim como do atual prefeito, o médico doutor Paulo Cerqueira Rodrigues Pereira e das mais importantes forças políticas regionais. Quando o Doutor João Bawden tomou conhecimento do afastamento do prefeito Doutor Paulo Cerqueira correu até a casa do coronel Jacinto solicitando-lhe, com humildade, que o indicasse como substituto do Doutor Paulo Cerqueira de quem ele era admirador pela maneira como conduzia a gestão do município e pela forma arrojada de trabalhar, salientando, ainda com modéstia, suas experiências como engenheiro e que pretendia, com toda sinceridade, dar continuidade aos projetos iniciados pelo Doutor Paulo Cerqueira bem como empreender novas benfeitorias no sofrido município. Várias vozes se levantaram contra o pleito do Doutor Bawden. Ninguém ali conhecia o seu passado. Também pudera: O doutor Bawden não era do lugar e acabava de ali chegar. Estou me referindo ao final do ano de 1931. Sequer imaginavam que por trás daquele homem riquíssimo apesar de aparência simples, existia uma longa e muito bem consolidada carreira politica que começou ainda jovem, em Mariana, como vereador, passando por todas as escalas, de maneira que em 1903 já era senador da República recentemente proclamada por Deodoro, em 1889. As lideranças politicas locais encontravam-se “rachadas” pau a pau ou meio a meio como queira. O fiel da balança ali estava difícil de achar e a tal “metade e mais um” que decide tudo em nossas vidas ali não se manifestava. Escafedeu-se. Não dava o ar da graça. Jacinto apenas endossou o desejo do Dr. João, mas, como eu já disse doente, não se envolvia mais com política. Á favor, Sebastião Bessa e seu grupo puxavam de um lado, enquanto que do lado contrário o grande Rogério da Costa Negro e seu grupo também puxavam com vontade. O argumento de Rogério era robusto e indestrutível: O doutor João Bawden que havia nascido em berço de ouro em local distante era pouco afeito ao trabalho e não cumpriria com suas promessas por que era demasiado boêmio e não seria responsável o suficiente para zelar pelas coisas do município.

Rachados e intransigentes entraram todos para a reunião promovida no Brejo das Almas pelo Partido Republicano Mineiro em casa do próprio Sebastião Bessa e depois de acirrada discussão Rogério da Costa Negro ainda se mantinha irredutível em sua posição. Foi quando alguém ali temeroso por entregar ás rédeas do destino do município em mãos estranhas, para surpresa de todos os presentes, surgiu em meio aquela reunião, ostentando um empoeirado exemplar do Jornal “Liberal Mineiro”, da Cidade de Ouro Preto, pertencente ao Partido Liberal, que em sua edição de número 93, do dia 16 de agosto do ano de 1884, na “seção parlamentar” do dia 07/08/1884 se registrava, clara e evidente, a seguinte menção honrosa alusiva ao “desconhecido” doutor João Bawden: “é dotado de sentimentos de nobreza e dignidade. É essencialmente caritativo, amigo sincero e extremado, está sempre pronto a acudir (socorrer) com prazer a voz da amizade e aos reclamos da pobreza de quem ele é um firme sustentáculo (benfeitor). Como as sementes, os grandes sentimentos precisam de terrenos e estações próprias para vingar e florescer no coração do nosso magnânimo e ilustre democrata, que é um sacrário de virtudes e por isso florescem exalando perfume nos corações que sabem conhecer a altura dos seus merecimentos...”.

Era só o que faltava. Contra fatos não há argumentos já dizia uma sábia raposa da politica mineira de nome José Maria. As forças agora se alinhavam em torno de João Bawden que acabou tendo o seu nome referendado como prefeito substituto do Brejo das Almas em Janeiro de 1932, consecutivamente.

Quando Vargas determinou eleições gerais constitucionais o Dr. João Bawden diante do muito que havia realizado pelo Brejo das Almas foi aclamado e eleito pelo povo prefeito constitucional. Mesmo após o Presidente Getúlio Vargas a 10 de Novembro de 1937, consumar o golpe de estado que lançou o País numa ditadura cruel e sanguinária e depois de promover uma verdadeira caça ás bruxas, com milhares de prisões e destituições violentas de políticos guindados constitucionalmente ao poder pelo voto popular, não encontrando no Brejo das Almas nada que desabonasse a conduta imaculada e transparente do prefeitão “bom de trampo” Doutor João Bawden, não lhe restou nenhuma alternativa que não fosse confirma-lo no cargo de prefeito que já ocupava. Infelizmente, agora, pouco tempo ele teria naquela nova gestão, porque vitimado por um ataque de angina veio a falecer no cargo no dia 23/12/1937 quando foi substituído pelo Dr. Arthur Jardim de Castro Gomes, aqui já retratado. Como justa homenagem ao homem que tanto dignificou a nossa terra o povo Brejeiro exigiu que o seu corpo nela fosse sepultado.

Hoje, ao ver em meu Brejo das Almas, ruas e praças com suas placas ostentando o nome do Doutor João Bawden eu me pergunto: qual seria, ao certo, a porcentagem de Brejeiros locais que saberia resumir em poucas palavras a importância que teve este nome para a nossa cidade?

Acredito que poucos.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo.


Escrito por enoquerodrigues às 21h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE VII - GERALDO TITO

O BREJO E SUA GENTE VII – GERALDO TITO

*Enoque Alves Rodrigues

Escrever alguma coisa sobre alguém com quem, de certa forma, tivemos, ainda que esporadicamente, algum contato visual em algum lugar do passado, não é fácil. As dificuldades se multiplicam por mil à maneira que a pessoa que desejamos nos referir, em singela homenagem, tenha vivido intensamente ao transformar cada minuto de sua existência terrestre relativamente longa, em produzir. Produzir e produzir. O personagem que reverencio neste mês de Julho-15 não desperdiçou um segundo sequer da vida que Deus lhe deu com algo que não fosse útil. Transitou com inteira cadência e desenvoltura por todos os patamares da vida, tendo se destacado em todos, mas, principalmente no campo do intelecto, onde com humildade, proficiência, elegância e maestria grande e valioso legado nos deixou, suficiente para nos orgulharmos dele e pela oportunidade que tivemos de sermos seus conterrâneos.

Geraldo Tito Silveira, Coronel, Escritor, Político, Professor, Delegado, Historiador, Jornalista, Diretor, Filantropo, Espírita Kardecista Vidente, era um dos filhos de Jacinto Silveira, fazendeiro e político e de Maria Luiza Silveira, normalista do outrora povoado de Brejo das Almas, hoje Francisco Sá, MG, onde nasceu no dia 06/02/1917 e desencarnou em Montes Claros no dia 18/12/2005 de causas naturais, com quase 89 anos.

Aos sete anos matriculou-se no Grupo Escolar de Brejo das Almas onde sua mãe era professora de onde saiu aos doze anos depois de se formar no curso primário para ir estudar em Montes Claros, no Ginásio Diocesano. Ao concluir o curso ginasial então com 16 anos partiu para Belo Horizonte onde mergulhou por inteiro nos estudos e no trabalho, iniciando-se na Capital das Alterosas profícua produção literária ao mesmo tempo em que galgava patentes na policia mineira, onde, aos 24 anos tornou-se oficial aspirante e na sequência oficial de gabinete, coronel, delegado e outros cargos e estrelas que com meritocracia inquestionável, resultado de muito trabalho, dedicação e esmero, conseguiu amealhar. Como delegado especial atuou em várias cidades de Minas, inclusive, em sua cidade de nascimento Francisco Sá aonde posteriormente veio a ser também prefeito, exercendo, respeitosa e dignamente as atribuições que este cargo requer, sempre pautado pela retidão de caráter, justiça social, honestidade e austeridade, auferindo ao erário municipal recursos jamais dantes aportados, sem em nenhum momento se descuidar do exercício altivo e persistente das ações empreendedoras em resposta ás necessidades dos munícipes carentes. Destacou-se, enquanto prefeito de Francisco Sá, pela atenção especial e prioritária que dispensou ao ensino público ao dotar as escolas de razoável estrutura física desde o seu mobiliário, além de estabelecer um calendário de reciclagem do corpo docente levando levas imensas de professores de volta aos bancos escolares em cidades vizinhas como, Montes Claros, Porteirinha, Monte Azul, entre outras, de onde retornavam com currículos turbinados, mais preparados para reassumirem suas funções só que agora, promovidos e remanejados para outros distritos do grande município, mediante melhores salários e condições de trabalho.

Jornalista e Redator dos bons por mais de 50 anos, daqueles que possuíam em um velho caderno capa dura, nomes, endereços e telefones das mais importantes figuras da República de então, jamais se deixou levar pela ansiedade do furo da notícia antes de checar as fontes e muitas vezes consultar o próprio noticiado. Geraldo Tito Silveira escreveu para vários jornais, entre eles, o Estado de Minas, Hoje em Dia, Diário da Tarde, Diário de Minas, O Globo, Jornal do Brasil, além dos jornais de Montes Claros, como O Diário, Jornal do Norte e Jornal de Notícias. Foi diretor-superintendente do Jornal do Norte, de 1983 a 1984. Escreveu para inúmeras revistas e mereceu críticas extraordinárias de jornalistas e Redatores famosos em sua época.

Como escritor, foi o melhor que o norte de Minas já produziu até os dias de hoje. Ninguém melhor que o Cel. Tito conseguiu decifrar com tanta riqueza de pormenores a alma do caboclo brejeiro, seus costumes, suas crenças e seus anseios. Sua produção literária é robusta e imbatível. Convivi com ela em infância e posso assegurar o quanto agregou ao meu saber. Tenho o privilegio de possuir ainda hoje 14 livros, garimpados com muito suor em sebos Brasil a fora, dos 24 que compõem sua obra literária publicadas em vida, e outra após sua morte, sem contar as inéditas no total de 10 a serem publicadas. Os livros escritos por Geraldo Tito são enciclopédias balsâmicas de viagens no tempo. É possível a qualquer um visitar o antigo Brejo das Almas com suas estreitas e empoeiradas ruazinhas de chão batido, seu folclore e seus personagens da época sem sair do lugar apenas lendo pérolas como “O Padre Velho”, “Lembranças Antigas do Brejo das Almas”, “A família Silveira de Brejo das Almas”, etc., tamanha é a autenticidade de sua narração. Já o antigo Egito pode ser visitado nas páginas de “Memórias de Cláudia Prócula” ou “Pôncio Pilatos”. “Conversa de Meganha”, “Crônica da Polícia Militar de Minas Gerais”, “Os Milicianos da Capitania do Ouro”, “Tocaia de Bugres”, etc., nos remetem aos fatos e costumes praticados pela polícia mineira em várias épocas. Espírita Kardecista praticante, convicto e fervoroso, Geraldo Tito Silveira brindou á comunidade espírita, da qual faço parte, com importantes obras como “O Evangelho Segundo Judas”, “Fumaça de Satanás”, “Os Litostrótos”, “O Salto no Tempo”, “O Clero da Foice e do Martelo”, etc.

Geraldo Tito Silveira recebeu muitos prmios e horarias em vida, que, no entanto, apesar de indiscutíveis valores literários e exaltação ao saber, ficaram muito aquém do jus merecido. Ele foi realmente um homem muito além de seu tempo. Foi membro da Academia Municipalista de Letras, Academia Montesclarense de Letras, Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais e acadêmico fundador da Academia de Letras João Guimarães Rosa, da Polícia Militar de Minas Gerais e chefe de segurança das Usinas Malvinas.

Geraldo Tito Silveira foi casado com a professora Maria José Nunes Silveira com quem teve seis filhos. De seu segundo casamento com dona Maria de Fátima Oliva Silveira teve apenas uma filha. A seu respeito escreveu o grande poeta e intelectual, Cândido Canela: “Conheço Geraldo Tito Silveira desde os tempos de calças curtas. Ao contrário do que muitos pensam, trata-se de um homem de bom coração, caridoso, cidadão correto, militar digno de seus galões, espírita kardecista convicto, excelente esposo, pai e avô amorozíssimo.”. Por ter lidado com oligarquias que queriam dobrá-lo pela força da autoridade e do dinheiro e com pessoas que o ameaçavam, através de armas, por circunstâncias de sua própria profissão, ele desenvolveu uma couraça de brabeza. Entretanto, prova das palavras de Cândido Canela foi o fato de ter deixado, por onde passou dezenas de afilhados, filhos de soldados, cabos e sargentos, que sempre o amaram e respeitaram muito.

Depositário fiel das mais puras e relevantes virtudes humanitárias que nem mesmo a vida dura de caserna ou a dor da injustiça e padecimento por longa doença do pai conseguiram abalar, Geraldo Tito Silveira é o nosso grande exemplo de que o que é bom já nasce feito e que as dificuldades da vida de cada um de nós só devem servir para nos tornarem cada vez melhores. Que a mais sólida lembrança que podemos deixar de nós mesmos é a do saber com humildade. Herança esta que transitoriedade nenhuma consegue apagar.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues é brejeiro.

Vem ai, Feliciano Oliveira. Não percam!


Escrito por enoquerodrigues às 16h14
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE VI - EURICO PENA

O BREJO E SUA GENTE VI – EURICO PENA

*Enoque Alves Rodrigues

Seguindo com a série mensal que tem por objetivo reverenciar de maneira singela, alguns de nossos antepassados Brejeiros de relevância maior que se destacaram na história de nossa cidade pelo muito que por ela realizaram e que com lisura de caráter, sólidas iniciativas sociais, político-administrativa, souberam dignifica-la, ao levar adiante suas gestões com transparência, honestidade, dedicação e equilíbrio sempre privilegiando aqueles que mais necessitavam, preservando, imaculadamente, suas respectivas biografias as quais escreveram com naturalidade, despretensiosamente, etc. 

O meu retratado de hoje pertence a uma contemporaneidade recente e é possível que muitos dos poucos que ainda me leem devam ter com ele cruzado um dia em nossa querida Francisco Sá. Sim, o período ao qual me reporto não é o do Brejo das Almas. Aliás, ele apenas “nasceu no Brejo onde viveu até os 24 anos”. Mas, fez-se homem, politico e importante mesmo em Francisco Sá pela qual trabalhou arduamente. Se você não é conterrâneo te informo que Brejo das Almas e Francisco São uma mesma Cidade. Pronto: poupei-lhe do trabalho de recorrer á “Wikipédia”. Isto posto, vamos em frente!

Eurico Pena da Silveira é o nobre personagem que ilustra esta minha crônica de Junho exatamente por canalizar em torno de si todas as referências positivas e virtudes singulares das quais grandes castas de gestores públicos atuais a cada dia se distanciam. Por motivos que imensa parte das inteligências medianas não alcança competência, dedicação e honestidade são virtudes que levas consideráveis de gestores não conseguem coadunar. Esforçam-se, é verdade, por vezes, chegando até mesmo a jurar sobre a Bíblia que independente das circunstâncias que venham a enfrentar seguirão firmes e fortes na defesa de seus princípios lastreados por este trinômio, mas, lamentavelmente, ao tomarem posse de nosso erário se esquecem de que de nada adianta ser competente e dedicado se não for honesto o suficiente para resistir ás tentações do dinheiro fácil. Dureza mesmo para eles, garbosos, faceiros e lisos como o quiabo, somente o “drear” (assim falamos no Brejo), “por que desce macio e reanima”. Tomou?

Dedicado, competente e honesto. Empreendedor nato e tocador de obras, assim era Eurico Pena que por duas vezes esteve á frente da Prefeitura de nossa querida cidade de Francisco Sá onde se destacou pela quantidade de obras que realizou. Muitas delas, inclusive, se encontravam com os seus projetos engavetados há dezenas de anos. Conheci de perto, o grande Eurico, sobre o qual fiz um pequeno relato primeiro, acredito, há alguns anos atrás em crônica intitulada “Assim Era Francisco Sá – Jardim Público Municipal”, na qual descrevia a inauguração desta obra, projetada por outro prefeitão, o Dr. Arthur Jardim.

Eurico Pena da Silveira nasceu no Brejo das Almas, hoje Francisco Sá, Minas Gerais, em 07/05/1914, ao pipocar da primeira guerra mundial. Filho de dona Joana Alves da Silveira e de Tiburtino de Oliveira Pena enveredou-se, muito cedo pelos campos das artes e da política tendo sido contemporâneo de grandes vultos da política local. Foi prefeito de Francisco Sá em plena ditadura militar, em dois períodos distintos, de 01/02/1967 a 31/01/1970 e de 01/02/1973 a 31/01/1977. Não obstante as dificuldades naturais por que passavam o Brasil devido ao regime de exceção e principalmente o norte de Minas onde se localiza a nossa cidade, em meio ao polígono da seca, as administrações de Eurico Pena da Silveira foram todas elas cobertas por grandes realizações pautadas no “bom e barato”. Realizou-se muito com pouco dinheiro. Em sua primeira gestão (1967/1970) Eurico elegeu como prioridade revolucionar o perímetro urbano do Município onde construiu prédios, praças, escolas, pontes, chafarizes e empedrou ruas inteiras além de fazer seus nivelamentos e corrigir seus traçados. Aos bairros de Francisco Sá, distantes, íngremes e sofríveis, além de estender essas benfeitorias, levou água e luz elétrica que até então não possuíam. Após embelezar nossa cidade, dotando-a de uma nova roupagem e semblante saudável, alegre e amistoso, Eurico, agora, voltava a sua segunda gestão (1973/1977), progressista e eficiente, para as zonas rurais deste imenso município composto, então, por distritos cujo índice de analfabetismo, crescimento social e miserabilidade haviam desafiado vários antecessores e suas administrações, que pouco ou quase nada conseguiram avançar. 

Calçando botas de couro canos longos e usando calças rústicas do tipo “arranca toco” e camisa de morim batido, transportado por uma velha “rural bandeirante” dessas que sobem em serras, Eurico supervisionava pessoalmente as obras nos mais longínquos distritos. Acompanhava tudo de perto. Nesse diapasão, graças a sua coragem e empenho construiu inúmeras escolas em zonas rurais inóspitas para onde também levou estradas e pontes que agora ligavam aqueles pequeninos núcleos marginalizados por desditas anacrônicas, ao centro urbano de Francisco Sá, onde respiravam os seus iguais, em melhores condições de civilidade. O matuto brejeiro teve sua honra e dignidade restabelecidas por Eurico que para isto nenhum esforço mediu.

Na cultura, mexeu na grade escolar instituindo turnos distintos além de reforçar a merenda da gurizada. Incentivador incansável do folclore do lugar. “Festeiro, convicto, participava de todas as comemorações brejalminas que ocorrem, quase sempre, no mês de setembro, quando se homenageiam a “um milhão de santos em cada dia”“. Presença marcante nos catopés. Nas artes, patrocinava compositores e cantores, principalmente aqueles que enalteciam as coisas de Francisco Sá. Na literatura bancava escritores e suas publicações nem sempre bem-sucedidas, etc.

Grande baluarte da boa política brejeira que praticava em prol do bem comum sem jamais utiliza-la em benefício próprio. Nascido em famílias de tradições política e religiosa secular na vida de Francisco Sá, Eurico Pena da Silveira, criança ainda, não teve dificuldade em escolher o caminho que seguiria ao crescer. Seria político assim como os seus ancestrais. Mas não seria um político qualquer. Tentaria, dentro do possível, ser igual ou próximo ao velho Jacinto, falecido em 1938. Queria prefeitar. Desejava, humildemente, colocar um tijolinho nas paredes de seu Brejo das Almas ou Francisco Sá. Acabou por erguer muitas paredes nas quais se encontram gravado o seu honroso nome em letras indeléveis que o tempo, senhor absoluto da razão, merecidamente, insiste em reluzir, não obstante a sua ausência física já longeva, efetivada que foi em 27/05/1993.

Eurico Pena da Silveira. Esse é o cara do qual todos nós brejeiros temos motivos mais que suficientes para nos orgulharmos. Viveu em uma época aonde a lei do mais forte prevalecia e aqueles que detinham o poder o utilizavam para massacrar os mais fracos e alimentar seus próprios egos. Eurico Pena enfrentou todas as dificuldades “tirando leite de pedra” sem jamais se esquecer dos menos favorecidos para os quais governava, não obstante vir ele de família de posses. O que é bom já nasce feito. E fim de papo.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo.

Vem ai, Feliciano Oliveira. Não percam!


Escrito por enoquerodrigues às 15h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE V - ANTÔNIO FERREIRA

O BREJO E SUA GENTE V – ANTÔNIO FERREIRA

*Enoque Alves Rodrigues

Quando em uma bela e ensolarada manhã de Janeiro do ano de 1929, Antônio Ferreira e sua mulher Cândida Peres juntamente com sua numerosa prole adentraram ás ruas empoeiradas do Brejo das Almas, provenientes da Cidadezinha dos Montes Claros, pouquíssimas almas que habitavam o Brejo de outrora sequer imaginavam a importância que aquele senhor, alto, loiro, de olhos verdes e falar manso teria á partir dali e durante toda a sua vida, para o cotidiano pacato daquele diminuto povoado de cuja emancipação (07/09/1923) que demandou feroz e ferrenha luta, ele próprio havia participado na condição de Vereador ainda em sua cidade. Ele nasceu em Montes Claros, onde se formou em química farmacêutica, mas estava desde o seu reencarne predestinado ao Brejo das Almas.

Uma vez no Brejo, fincou residência no Largo da Matriz, próximo a única farmácia do lugarejo de propriedade de Francelino Dias, o França, com quem passou a trabalhar até conseguir montar sua própria farmácia, lá pelos idos de 1930 no mesmo Largo da Matriz todo desnivelado e esburacado, sem qualquer melhoria. Assim sendo, quando no ano de 1931, na gestão do prefeito Dr. Paulo Cerqueira Rodrigues Pereira se iniciaram as obras de nivelamento e empedramento das ruas e do antigo Largo da Matriz e adjacências, Antônio já se encontrava inteiramente estabelecido naquele Largo com a sua bem sortida e frequentada farmácia que progredia vertiginosamente devido ao empenho, conhecimento e popularidade de seu dono que a transformou na melhor botica de toda a região. O farmacêutico Antônio naquelas bandas era a salvação para muita gente. Olhava na cara do caboclo e já sabia qual remédio lhe dar para a cura plena dos males físicos desde as dores do espinhaço até as dores da alma por que ali Antônio, munido de inteligência impar no campo do intelecto muitas vezes tinha de “atacar” também de psicólogo oferecendo sempre uma palavra terna e amiga de encorajamento e motivação aquela gente sofrida que muitas vezes sequer tinha o que comer em casa. Independente de o matuto brejeiro ter ou não dinheiro no bolso para adquirir o remédio, jamais saia de sua farmácia de mãos abanando. Antônio utilizava muito mais os seus conhecimentos na prática da caridade e filantropia aos menos favorecidos, que para ganhar dinheiro, mesmo vindo ele próprio de família simples, de poucos dotes, apesar de ter sustentado sua grande família com o conforto necessário e com toda dignidade de marido zeloso e pai de família exemplar.

Compadre do Coronel Jacinto Silveira, fundador do Brejo das Almas, muito antes de ele, Antônio, se mudar para o Brejo, pois ainda em Montes Claros, Antônio e Jacinto já eram amigos e companheiros de bancada na Câmara de Vereadores daquela Cidade na qual Antônio era secretário tendo sido dele a redação do projeto que se converteria na lei estadual (843) que faria do Brejo, Município, de onde plantaram as sementes de um novo porvir para o distante povoado que ambos ombreariam, transformando-o em cidade progressista dentro de suas naturais limitações. No Brejo das Almas os elos desses dois gigantes, Antonio e Jacinto, viriam a se fortalecer muito mais quando no dia 20 de Janeiro do ano de 1933, na mesma Igreja Matriz que ainda hoje lá está, une-se em matrimônio uma filha de Antônio, então com dezoito anos, com um dos filhos de Jacinto, de vinte e três anos, cujo enlace de longevidade superior a sete décadas e meia, se estenderia por toda a vida, pois só se findou depois do último suspiro do filho de Jacinto no ano de 2009 e, mais recentemente, para nossa tristeza, com a morte da Diva Brejeira, filha de Antônio com 100 anos no dia 17/04/2015.

Forjado do mais puro aço, de ascendência europeia, a vida nem sempre sorrira para Antônio que desde cedo teve de ir á luta. No Brejo, dentro do ambiente familiar teve de assumir a condução do lar e educação dos filhos devido ao dissabor da ausência da esposa devotada Cândida, para infrutífero, longo e penoso tratamento mental em Montes Claros. Muitas foram às lutas com as quais o gigante Antônio teve de travar com o destino de onde ele sempre ressurgia com mais força e resiliência.

Político, Farmacêutico Diplomado, Médico sem Diploma, Escrivão de Paz, Orador e Poeta. Em todas as enumeradas atividades que Antônio ocupou deixou sua marca indelével gravada à posteridade de curta memória. É possível que poucos saibam hoje quão relevantes foram ás iniciativas deste grande Brasileiro para a vida de nosso pequeno torrão natal de nome Brejo das Almas. 

Na política, combativo e atuante vereador e secretário na Câmara de Montes Claros, entre outras ações de cunho social, foi o autor e redator do projeto que se converteria na lei 843 que tornou o Brejo das Almas Município independente. Farmacêutico, exerceu com dedicação e generosidade essa nobre arte em beneficio dos menos favorecidos. Médico sem diploma, muitas doenças diagnosticou em seu inicio recomendando ao enfermo procurar tratamento imediato em cidades com recursos. Foi de Antônio, o médico sem diploma, o primeiro diagnóstico de câncer na garganta do padre Augusto que depois mediante sua recomendação procurou o doutorzão diplomado João José Alves na bela MOC. Como escrivão de paz, ele colaborou na resolução de muitas pendengas que invariavelmente conduziam seus litigantes aos melhores termos. Orador eloquente, Antônio era capaz de levar ás lágrimas o mais duro coração. Em todo e qualquer evento ele era convidado para realizar a abertura e encerramento onde deixava fluir em dicção clara e didática perfeita os sentimentos arraigados no recôndito do mais puro e elevado saber. O Brejo das Almas que agora se chamava Francisco Sá não tinha um hino que o enaltecesse e identificasse. Professores e alunos lamentavam não ter um hino para cantar em homenagem a jovem beldade do norte de Minas, quase adolescente, que recentemente havia se emancipado. Atendendo ao clamor da professora Maria de Jesus Sampaio coube a Antônio escrevê-lo, brindando a todos nós, Brejeiros que amamos esta terra com o mais lindo hino cuja letra foi musicada por Corinto Cunha, também poeta e amigo de Antônio: 

-“Brejo das Almas ou Francisco Sá... Igual a ti, outro não há...”.

Lembram-se?

Pois é.

Depois de todas essas dicas e deste extenso preâmbulo não é possível que você ainda não saiba a que Antônio me refiro. A menos que você não seja Brejeiro. Nessa condição você estaria desculpado. Mais se você nasceu no Brejo, mesmo não vivendo lá assim como eu, você teria a obrigação de saber de cor e salteado quem foi esse sujeito.

Antonio Ferreira de Oliveira era “Niquinho Farmacêutico” no Brejo das Almas ou “Niquinho Açúcar” como era conhecido em Montes Claros, onde também era farmacêutico.

Niquinho Farmacêutico pode ser considerado um dos grandes expoentes do velho Brejo das Almas. Conseguiu, neste torrãozinho de meu Deus, colocar em prática todos os atributos com os quais a Divina Providência o dotara. Exerceu todas as suas atividades sempre voltadas para a benevolência e crescimento do Brejo e de sua gente. Mesmo assim conseguiu amealhar com toda a sua honestidade, razoável patrimônio que, no entanto, não muito afeito as coisas materiais e, principalmente, pelo vicio do alcoolismo que infelizmente adquiriu, veio a falecer desprovido de bens materiais na residência de sua filha amada e do genro querido. Levou consigo a maior riqueza. A certeza plena de que enquanto neste mundo peregrinou ofereceu a todos indistintamente o seu melhor sem em momento algum pedir algo em troca. Doou-se por inteiro aos que dele necessitavam e com isto partiu feliz não obstante o sofrimento imposto pela doença.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo.

Vem ai, Feliciano Oliveira. Não percam!


Escrito por enoquerodrigues às 22h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE IV - ARTHUR JARDIM

O BREJO E SUA GENTE IV – ARTHUR JARDIM


*Enoque Alves Rodrigues


Em 24/08/1949, quando Feliciano Oliveira, Prefeito de Francisco Sá, inaugurava o serviço permanente de luz elétrica fornecida pela Usina Santa Marta, a mesma que abastecia Montes Claros, poucos se lembravam de que a iniciativa daquele grande feito que agora se concretizava havia se iniciado, na verdade, dez anos antes, ou precisamente em 30/11/1939, ainda que de maneira precária, na gestão do grande Brasileiro nascido no ano de 1897, em Conselheiro Lafaiete, norte de Minas, de nome Arthur Jardim de Castro Gomes, ou melhor, Doutor, sim, ele era Doutor, não por ter sido o grande engenheiro que foi o que para nós já seria uma grande honra, mas, principalmente por sua inteligência, caráter, competência, e integridade inquestionáveis em todos os postos que ocupou. Talvez a pobreza de dados que atualmente se encontram disponíveis sobre o Doutor Arthur Jardim de Castro Gomes se justifica pela inexistência de réguas capazes de dimensiona-lo integralmente, em toda a sua magnitude. Sabemos que nem sempre a história é pródiga ou justa para com os grandes vultos que efetivamente a souberam escrever, quase sempre com letras de sangue, por que eles existiram em uma época em que tudo era mais difícil e muitas vezes para levar adiante os seus projetos tiveram de “tirar leite de pedra”, além de se sacrificar ao extremo em prol do ideal de realizar o seu melhor para assim minorar o sofrimento dos mais carentes.


O Dr. Arthur Jardim de Castro Gomes que também foi Prefeito da cidade de Corinto tornou-se Prefeito de Francisco Sá de 1938 á 1942, no período intervencionista, em substituição ao Dr. João Bawden Teixeira que morreu repentinamente. Em sua bem-sucedida administração frente à Prefeitura Brejeira a cidade que ainda chorava seu líder recentemente desaparecido (08/01/1938) se transformou em um verdadeiro canteiro de obras. O arrojado Plano Diretor que o Prefeito Dr. Arthur Jardim escreveria de próprio punho para por em prática no primeiro ano de seu mandato, contemplou todas as áreas vinculadas direta ou indiretamente ao desenvolvimento urbano do sofrido Município de maneira que ao chegar ao final de sua gestão quase nada restava por fazer do que havia planejado. Em seu relatório, a guisa de prestação de contas, que ele escreveu e enviou ao então Governador do Estado de Minas, Benedito Valadares, em dezembro de 1942, deixa claro em linguagem simples e objetiva que soube dignificar o cargo que lhe fora confiado com grandes e incalculáveis realizações em beneficio da cidade e de seus munícipes, que lhe propiciavam á consciência tranquila do dever cumprido.


Enumerar as realizações do Dr. Arthur Jardim na Prefeitura do Brejo significa correr riscos de omissão. Fez tanto que ainda hoje permanecem inabaláveis os pilares de sua administração. Da radical mudança topográfica do antigo traçado das ruas brejeiras com aterramentos colossais que sepultavam o feio fazendo brotar o bonito, escavações que punham abaixo montanhas de terra que durante anos desafiaram cabeças geniais, terraplenagens extensas e nivelamentos abismais que colocavam cara a cara em condição de igualdade o aclive íngreme com o declive, empedramentos, prédios, jardins, barragens, criou bairros e distritos, etc.


O Prefeitão Arthur Jardim abusava de suas multifaces qualidades na cavernosa arte de “engenhar”. Grande parte dos projetos que executou quando se achava na Prefeitura do Brejo foram produzidos por ele. Saíram de sua prancheta e ganharam formas pelo seu nanquim. Ele mesmo os fazia e ainda corria para executa-los. Também, pudera. O cara era tudo na engenharia. Ele era engenheiro topógrafo, engenheiro civil e eletricista, engenheiro rural, engenheiro paisagístico e engenheiro urbano. Para o Brejo das Almas daqueles tempos, então, o Dr. Arthur Jardim não poderia ter vindo em hora mais oportuna.  Ele era também escritor, conferencista, jornalista e articulista de vários jornais entre eles, “Gazeta do Norte”, “Gazeta do Lavrador” e “Diário da Noite”, entre outros.


Membro da Maçonaria onde praticava fervorosamente seu amor e devoção por todos. Intelectual acadêmico, tendo ocupado a cadeira de nº 26 da Academia Montesclarense de Letras, é também naquele egrégio templo do saber patrono da cadeira de nº 14 ocupada com humildade, sapiência e galhardia pela escritora e professora Karla Celene Campos. O Dr. Arthur Jardim foi também funcionário graduado de instituições de renome e projeção nacional como Estrada de Ferro Central do Brasil, Departamento de Estradas e Rodagens, Departamento de Águas e Esgotos de Minas Gerais, etc.


Fez todos os seus estudos, do primário á Escola Superior de Engenharia em Belo Horizonte. Foram seus pais José Henrique de Castro Gomes e dona Celestina Jardim de Castro Gomes.


Mesmo não sendo o Dr. Arthur Jardim de Castro Gomes, Brejeiro de nascimento, conhecia o brejo como ninguém ao ponto de escrever a mais bela e completa monografia onde discorre com riqueza de pormenores nossa região como a fauna com suas variadas espécies de animais domésticos que vivem no Município de Francisco Sá, que em sua maioria se constituem das mais comuns em varias partes do Brasil. Aves e pássaros selvagens característicos da região, canoros e de belas plumagens. Dentre eles o sofrê, o corricho, o canarinho amarelo e o pardo, o pintassilgo, a patativa, o bicudo, o curió, o pássaro preto de três espécies, o cardeal e a brabeza e mais seis espécies de beija-flores. Há também as pombinhas verdadeiras e amargosas, a juriti, a inhambu, a zabelê, o sabiá, o tico-tico, o bem-te-vi, a codorna, o quem-quem, os anuns pretos e brancos, as rolinhas pedrês e parda, o João congo, o João de barro, e muitos outros. Com relação às aves de rapina, catalogou varias espécies de gaviões de penacho e o carcará. Em se tratando dos animais selvagens mencionou a suçuarana, a lombo-preto, e em algumas regiões o tigre, a anta, os gatos maracajá e marisco, a raposa, o caititu, o queixada, os tamanduás, os tatus pebas e bola, a paca, os veados, os coelhos, as cutias, o guaxo, os preás e a jaratataca. Quanto a serpentes, a maior mesmo é a jiboia, a caninana, a jararacuçu, a cipó, a cascavel, a coral, a jararaca e outras mais. No tocante as variedades de peixes são muitas, a começar pelo grande surubi do rio verde grande, o dourado, as curumbatás, as traíras, o piau e, ainda no rio verde e várias lagoas, os grandes jacarés, as ferozes piranhas, os mandis, etc.


Referindo-se á flora o Dr. Arthur Jardim nos diz ser quase toda constituída de CAMPOS – Limpos, Cerrados e Gerais. CAATINGAS – Altas, de vazantes, baixas e médias. CATANDUVAS – Altas e Baixas. Informa que nas Catanduvas encontram-se o Pau de óleo, garapa, potumujú, ipê, catinga de porco, e outras mais. Já nos cerrados o pau terra, o vinhático, a cagaiteira, a samambaia, o tingui, a caraíba, o angico e outros, quanto às serras que rodeiam o nosso município destacou todas elas de acordo com suas grandezas como a Serra do Catuni, um planalto que desce bruscamente, na vertente ocidental, que é a do Verde Grande, de 900 – 1000 metros de altitude média, 700 – 650 na base da elevação, etc. Falou da orografia á composição do solo e subsolo brejeiro que segundo os seus estudos geotécnicos avançadíssimos para a época, são compostos de várias camadas entre elas a de argila, calcário, lajedos, xistos, cascalho, quartzo, entre outras. Sobre a hidrografia do Brejo das Almas o Dr. Arthur informava ser ela pobre tendo em vista que a maioria dos rios e córregos que banham o Município é feita de rios temporários, ou seja, aqueles que só existem no período das chuvas tendo destacado como principais permanentes naqueles tempos hoje nem tanto, o Verde Grande, o São Domingos, e o Gorutuba, etc.


O Doutor Arthur Jardim utilizou em beneficio de Francisco Sá grande parte de seus conhecimentos topográficos, pois com desprendimento e generosidade que somente os que atingiram elevados níveis de grandeza são capazes, graças ao seu amor incondicional pelo Brejo, colocou o nosso município no mapa do mundo ao embrenhar-se em suas entranhas de matas fechadas de difícil acesso, tendo convivido durante trinta dias com todo tipo de obstáculos, onde o caboclo lhe transmitia em dialeto nativo seus usos e costumes e outras preciosidades roceiras que viriam ilustrar o seu rico libelo monógrafo, tendo de lá retornado somente depois de concluir os estudos das linhas imaginárias e seus paralelos, meridianos, latitudes e longitudes que definiriam com exatidão as coordenadas geográficas ou a posição que ocupa a Cidade de Francisco Sá no Globo por onde todo e qualquer ser em qualquer parte do Planeta consegue localiza-la. Talvez para você, da geração GPS, isso não diz nada, mas naqueles tempos significava tudo.


Ufa!


Que prazer falar do grande homem que foi o Doutor Arthur Jardim de Castro Gomes. Que bom poder enaltecer aqui neste pequeno espaço, um pouco do muito que ele fez. Que ótimo seria se os brejeiros de hoje e pósteros jamais o esquecessem.


E tenho dito!


*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo das Almas.


Vem ai, Feliciano Oliveira. Aguardem!


Escrito por enoquerodrigues às 22h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE III - NECO SURDO

O BREJO E SUA GENTE III – NECO SURDO

*Enoque Alves Rodrigues

Quando no final do ano letivo de 1924 o professor José Maria Fernandes que lecionava na única escola do Brejo das Almas foi substituído pelo professor Manuel José Veloso, vulgo Neco Surdo, codinome este alusivo ao seu estado de surdez, apenas a normalista Maria Luiza Silveira, maestra maior, cuja batuta o velho Neco obedecia, sabia que não se tratava de uma simples e corriqueira transição, não obstante tê-la efetuado sob o argumento mais que justificado que consistia no sério envolvimento do antecessor com o álcool. Discreta e silenciosamente, escrevia-se ali, com letras indeléveis, o prenúncio de uma nova era que revolucionaria, durante muito tempo, o ensino pedagógico no município recentemente emancipado.

Trôpego e alquebrado. Muito mais velho que o professor anterior, Neco Surdo também se diferia deste no tocante a metodologia. Também adepto da palmatória, é verdade, mas bem menos rigoroso e mesmo ranzinza, era, por vezes, alegre, compreensivo, tolerante e brincalhão. Enquanto José Maria se utilizava de uma rigidez arcaica onde qualquer displicência do aluno era punida com a palmatória, o sucessor, de jeitos simples e despojados, apesar de enérgico, distribuía simpatias na mesma proporção em que irradiava didática e cultura para a petizada carente do saber. A sua deficiência auditiva em nada interferia em sua conduta e eficiência pois, sempre que alguma dificuldade em entender ou fazer a leitura labial do aluno lhe surgia que o impossibilitasse de dispensar-lhe a atenção necessária e sanar ás duvidas, ele recorria, imediatamente, à mímica e trejeitos do inspetor escolar Mateus Alves. O único problema, bem, temos então um problema, contrariamente ao que afirmei poucas linhas atrás, era que o inspetor Mateus em matéria de mímica era uma negação. Jamais havia frequentado uma “Universidade de Mímica”. Sabia tanto de mímica quanto este velho engenheiro de medicina. Mas ele dava lá suas pauladinhas. E assim, de gestos em gestos, entre uma careta e outra, inspetor, professor e alunos iam se entendendo e a cultura ali só se expandia. Grandes homens se formaram naquela época pelas mãos do professor Neco Surdo.

Ao mesmo tempo em que se preparava para abolir a palmatória naquela escola, ele trouxe de volta ás mãos dos alunos, o lápis e o caderno que, inusitadamente, haviam sido proibidos pelo professor de antes que dizia serem desnecessários por que os alunos tinham de decorar em dez minutos os textos que ele escrevia no quadro negro assim como as frações aritméticas. Quanto aos intervalos de recreios onde José Maria colocava, sistematicamente, a molecada para carpir mato, o bom Manuel José aproveitava para brincar com as crianças e ao mesmo tempo solucionar questões pontuais que porventura não conseguiram assimilar na formalidade do ambiente escolar. Enquanto os meninos jogavam com bola de meia, ás meninas que se mantinham separadas dos meninos somente nos intervalos, jogavam peteca. Numa época em que sequer se falava em emancipação feminina era impensável imaginar que naquelas bandas pouca distinção havia entre meninos e meninas que compartilhavam dos mesmos anseios de ser alguém, depositando nas mãos de um simples professor ás rédeas de seus destinos que invariavelmente os conduziriam pelos caminhos do bem.

Certa vez ou precisamente no dia 22/12/1925 o padre Augusto Prudêncio da Silva saia de seu Orfanato na Rua da Amargura em direção a Rua das Aroeiras onde se localizava a escola do professor Neco. Vinha ele numa missão muito importante: elegeria os dez melhores alunos que haviam se destacado naquele ano para que passassem o Natal junto aos seus quarenta pequeninos dos quais ele cuidava com o maior carinho. O padre chegou ali na hora do recreio e desejava observar à maneira com que cada criança se comportava no pátio. Neco não sabia daquela visita inesperada. Não havia sido informado. Os padres daqueles tempos eram tidos como fieis representantes de Deus na terra além de serem dignos de todas as honras de um chefe de estado. Qualquer município tinha dois gestores, o padre e o prefeito. Sem contar que àquela época o padre Augusto que havia sido prefeito em Montes Claros (1901/1904) era, também, vereador no Brejo. Apesar de bondoso e compreensivo, ele era demasiado rigoroso. Todos conheciam sua fama de homem enérgico que não tergiversava quando tinha de falar a verdade.

Por uma razão que a própria desconhece, coube ao pobre do inspetor escolar Mateus Alves visualizar primeiro o padre que, aparentemente não o vira. Ato contínuo, disfarçada e sorrateiramente, tratou de correr para avisar o professor Neco Surdo que, entretido, batia uma bolinha com os seus pupilos do outro lado do muro. Apesar da curta distância, inútil seria gritar. Primeiro por que Neco era surdo e não o ouviria e segundo porque poderia chamar a atenção do padre que aguardava.

Criativo ou sem saída, não importa. É a necessidade que faz o sapo pular. Lançou mão de um pano branco o qual pôs sobre a cabeça e galgou a escada no sentido de sinalizar para Neco do outro lado. Por mais que Mateus tentasse, Neco não conseguia ler-lhe os gestos. Quando ele passava á mão sobre o pano branco na cabeça em alusão à túnica e aos cabelos brancos do padre, Neco, irritado, gesticulava de lá o chamando de velha coroca e caduca. Paciente, Mateus, cujo interesse era apenas salvar a pele do mestre, colocou um dos pés sobre o muro com o qual pretendia imitar o padre que mancava de uma das pernas. Escorregou-se caindo de costas aos pés do padre que bem mais alto que ele observava há muito tempo o professor Neco interagindo com os seus alunos em um momento de paz e descontração que o padre ao invés de repreender como pensava Mateus, elogiou, assim se expressando:

- “É muito bonito de se ver um professor, do alto do seu saber, se divertindo com os seus alunos onde por alguns instantes se nivelam como criaturinhas de Deus que são!”.

E virando-se para Mateus, disse-lhe:

- “Levanta-te daí, meu filho... Essa brincadeira sua de subir em muro e ficar pulando igual Saci Pererê com uma perna só não é nada saudável e você pode se machucar... Vá brincar junto aos demais. Por favor, avise ao professor Neco que quando terminar o recreio preciso falar com ele. É sobre o Natal das crianças daqui!”.

Pois é.

A vida é simples de ser vivida. Somos nós que a dificultamos, por vezes, quando queremos nos antecipar ao pensamento dos outros.

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo das Almas.

Atenção: Vem ai, Feliciano Oliveira!


Escrito por enoquerodrigues às 22h03
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE II - PADRE AUGUSTO

 

O BREJO E SUA GENTE II – PADRE AUGUSTO
*Enoque Alves Rodrigues
Augusto Prudêncio da Silva nasceu no dia 31 de Julho de 1856, em Montes Claros, quando esta localidade situada ao norte de Minas Gerais já não era mais uma colônia dos temidos índios tapuias ou do bravo Bandeirante Antônio Gonçalves Figueira. A praça onde hoje se encontra erguida a velha Matriz era o ponto central da comunidade. Algumas ruas adjacentes já eram calçadas o que dava um aspecto limpo e civilizado ao lugar.
Aos cinco anos de idade, seus pais, Camilo Prudêncio e Maria já notavam sua forte inclinação para as coisas eclesiásticas. Aos sete anos Augusto Prudêncio já acompanhava o vigário, o cônego Chaves, seu padrinho, no lombo do cavalo em viagens pelas freguesias. Dois anos depois de o primeiro bispo de Diamantina, dom João Antônio dos Santos fundar o Seminário Diocesano naquela cidade, em 1865, Augusto, então com 11 anos foi internado neste Seminário no ano de 1867, graças á influência do cônego Chaves, de onde, 12 anos depois se sagraria padre, após receber a ordem de subdiácono em 20/06/1878, de diácono em 21/12/1878 e ter lecionado latim no próprio Seminário enquanto aguardava completar a idade mínima de 23 anos para ser consagrado padre o que viria a ocorrer no dia 03/08/1879.
Augusto era aos vinte e três anos quando se tornou padre, um jovem muito bonito, alto, (media 1,81 metro), musculoso, loiro, de olhos azuis, lábios grossos e usava óculos com lentes pequenas e aros de ouro em decorrência de leve miopia que segundo diziam, fora causada pela intensa leitura muitas vezes á luz de lamparina altas horas da noite.
Aos 23 anos ou precisamente no dia 16 de agosto de 1879, vestindo uma batina nova de tecido brilhante, colarinho rendado e um barrete de três bicos o jovem Augusto Prudêncio acompanhado de uma multidão de amigos e vizinhos, saia da residência de seus pais em direção a Igreja Matriz, que naquele tempo se denominava de Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São José de Montes Claros, onde celebraria a sua primeira missa. Augusto foi o terceiro pároco daquela Igreja construída inicialmente no ano de 1769 como simples capela passando por várias mutações até chegar ao estágio atual. A primeira criança batizada pelo padre Augusto, ainda em Montes Claros, chamou-se Osório tendo o jovem padre se afeiçoado tanto a este menino que o tomou como pupilo e foi responsável pela sua criação e educação. Talvez tenha iniciado ai o seu grande amor e devoção que demonstrou durante toda a sua vida de quase 75 anos de idade pelos pequeninos menos favorecidos que ampararia em seu orfanato na cidade que adotaria como berço como veremos na sequência.
De vez em quando o Padre Augusto, montava a cavalo e chegava até o distrito de São Gonçalo de Brejo das Almas, a fim de visitar os parentes. Ele já ia ali anteriormente para ministrar as festas religiosas, hospedando-se em casa do coronel Jacinto Silveira. Falecida a sua mãe, em Montes Claros, consolidou-se a sua transferência em definitivo para a freguesia de Brejo das Almas.
Em 1904, depois de haver exercido o cargo de presidente da Câmara de Vereadores e chefe do Executivo municipal (prefeito – 1901/1904) em sua terra natal, Montes Claros, após eleição disputadíssima e cheia de peripécias, por solicitação própria feita a Dom Joaquim Silvério, sucessor de Dom João, foi transferido para a freguesia de São Gonçalo de Brejo das Almas, hoje Francisco Sá. Tratava-se de um recanto solitário, para onde nenhum outro padre se arriscaria. Pequeno lugarejo próximo á serra do Catuni cuja origem remonta á época colonial, quando o garimpeiro audacioso se aventurava pelos sertões à procura de pedras preciosas, no mesmo lugar onde um dia (02/11/1704) certo bandeirante fincou um rústico cruzeiro em madeira e bradou alto e bom som um vaticínio que infelizmente ainda hoje em dias atuais do ano da graça de 2015 não se confirmou completamente de que aquela terra se transformaria em um comércio próspero e que muito orgulho daria aos seus locais. O amigão ao qual me refiro que não era Mineiro do brejo como nós, mas Paulista de Santos, só não conseguiu ver em sua bola de cristal os obstáculos que seus pósteros teriam de transpor para levarem adiante a árdua tarefa diagnosticada em sua otimista premonição da qual podemos dizer com a imparcialidade natural de filhos das Alterosas que até o momento pouco se cumpriu, a não ser o amor, orgulho e devoção que mantemos pelo Brejo das Almas, nossa terra, que permanecerem impregnados, incondicionalmente, em nossa mente, coração e espirito e como bons Brejeiros que somos almejamos um dia ver todas as predições do grande desbravador cumpridas.
Sua posse como vigário do Brejo foi festejada durante oito dias seguidos, recebendo a freguesia das mãos do vigário de Grão Mogol, padre Agapito. Como a paróquia não tinha casa para residência do padre, Augusto passou a residir em companhia de Jacinto Silveira.
No Brejo das Almas o grande Brasileiro, pescador de almas, Augusto Prudêncio da Silva, foi escrevendo, paulatinamente, com a caneta da humildade e amor ao próximo os seus exemplos de vida, cuja marca persiste até hoje não obstante decorridos 84 anos desde que partiu (17/03/1931) vitimado por um câncer na garganta, primeiramente descoberto pelo competente “doutor da farmácia” Niquinho, e depois confirmado pelo doutorzão João José Alves, na bela MOC.
A primeira escola pública de Brejo das Almas deve a sua criação ao Padre Augusto, que a construiu ao lado da casa de Jacinto Silveira. Como a esposa deste era normalista, a seu pedido, o Governo nomeou-a professora, abrindo assim a primeira picada no ensino primário naquela diminuta povoação. Árduo defensor dos pobres e oprimidos construiu anexo à casa paroquial um orfanato onde amparava a infância órfã de quarenta crianças o qual mantinha á duras penas com os parcos recursos que conseguia angariar.
Realizou a ampliação da antiga igreja e no campo da religião promoveu verdadeira revolução litúrgica junto aos fiéis que só fazia aumentar. Comandava pessoalmente as festas religiosas com danças, cânticos e gincanas onde a população prazerosamente se divertia. Nas artes, com os meninos de seu orfanato, organizou uma banda de música a qual deu o nome de LIRA que tinha a frente o Mestre José Maria e com ela disputavam torneios musicais com bandas de Montes Claros. Com isto o padre Augusto incentivava o culto das artes e das letras completando a formação intelectual de seus alunos, pois os mesmos já tinham oficinas de carpintaria e sapataria onde aprendiam o ofício para a conquista do pão.
Na Política Brejeira Augusto foi vereador atuante (1924/1930) na primeira legislatura do recém-instalado município. Na ordem pública, peitou muitos bandoleiros em inúmeras colunas de desordeiros que antes se formavam nos confins do nordeste e que se dirigiam ás localidades ermas para promoverem a barbárie como assaltos, estupros e assassinatos de pessoas indefesas. Entre os bandoleiros, Manduca e Alfredo, vulgo “Alfredão” eram os mais temidos. O primeiro cismou de amarrar um cavalo no cruzeiro em frente à igreja quando o padre rezava missa. Incontinenti, pediu licença aos fiéis, interrompeu a missa, foi lá fora e passou o maior sabão no valente Manduca que, amedrontado com o padre, desamarrou a animália do cruzeiro, mas no dia seguinte foi à forra, roubando-lhe três vacas que o padre de igual forma o fez devolver debaixo de vaias de seus capangas. Já Alfredo teve de interromper várias festas que promovia ao som de músicas altas e muita cachaça. O padre Augusto chegava, dava um horário para o bandoleiro por fim a farra e não tinha mais conversa.
Possuía o dom da premonição e clarividência. Com o seu simples olhar mandava quebrantos e outras mandingas para o espaço. No tempo em que viveu, a lei do mais forte era mantida á mira da escopeta. A sua forma correta de ser e agir o fez se encontrar muitas vezes na mira de alguém com o dedo no gatilho que, no entanto, não disparava por que na hora “h” o dedão do valente borra-botas travava o qual pilhado pelo padre em seu desafortunado intento se derretia todo se ajoelhando aos pés do padre a pedir perdão que só era dado depois de grande sermão que invariavelmente deixava o absolvido em palpos de aranha. São inúmeras as ações com as forças ocultas que tem o padre Augusto no centro. Possuía uma força no olhar capaz de ver atrás dos montes e mover montanhas. Não as utilizava, no entanto, salvo quando necessário.
Em seus aniversários a Rua da Amargura onde morava era toda enfeitada. Em 31/07/1916 quando ele completou sessenta anos, vários discursos foram ali proferido sendo o que mais o emocionou foi o da menina Edith Silveira com o menino José Galvão Bicalho que lhe ofereceram um ramalhete de flores.  Á missa de ação de graças comparecia quase toda população brejeira.
Afirmam os médicos que o câncer é uma das doenças mais cruéis e que mais atormenta o organismo do homem. Como corolário aos que vieram ao mundo em missão santificada, o padre Augusto Prudêncio da Silva colhido que foi pela doença, muito sofreu. Jamais a amaldiçoou. Ao contrário, cansado, com 74 anos, vergava agora sob o peso inclemente das dores que nem mesmo a agulhada de morfina conseguia conter. Nestes momentos de dores extensas seus olhos azuis lacrimejavam e ele delirava. Em seu delírio de frases desconexas o que se ouvia entre um gemido e outro eram “Senhor”... “Maria”... “Estou”... “Aqui”... ”Abade”... “Confessor”...
A folhinha marcava 17 de março do ano de 1931. Um velho patacão talhado em madeira localizado em sua cabeceira assinalava 15 horas e 23 minutos, quando o Padre Augusto Prudêncio da Silva deu o seu último suspiro após receber a extrema unção que lhe foi dada pelo Cônego Marcos Premonstatense, Salineiro, de origem belga.
Ninguém ali queria acreditar que um ser tão bondoso fosse colhido nas malhas da morte. O imenso cortejo o levaria de novo à velha Matriz onde merecidamente frui o repouso dos justos. Sim, apenas repousa, por que os justos e bons não dormem, jamais
E tenho dito.
*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo das Almas.


Escrito por enoquerodrigues às 14h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO E SUA GENTE I - JACINTO SILVEIRA

O BREJO E SUA GENTE I – JACINTO SILVEIRA

 
*Enoque Alves Rodrigues
 
No próximo dia 8 de Janeiro de 2015 o nosso querido Brejo das Almas ou Francisco Sá estará completando 77 anos desde que viu partir rumo ao mundo maior, com quase 67 anos de idade, o seu fundador e principal defensor Jacinto Alves da Silveira, que durante toda a vida travou, no campo de batalha da politica, na maioria das vezes enfrentando inimigos sem rostos, ocultos por falsidades e traições, lutas ferozes que varavam noites, no sentido de ver concretizado o sonho de emancipação politico-administrativa do Brejo das Almas do município de Montes Claros o que ocorreria em 1923/24, para que através deste feito, conforme ele imaginava, o seu povo pudesse usufruir-se de dias melhores e de um futuro menos incerto. Faleceu Jacinto em 1938 depois de ter padecido durante doze longos anos do mal de Parkinson cuja patologia neurológica degenerativa o obrigava a arrastar-se pelas ruas do Brejo até a antiga sede do agora município onde trabalhava arduamente numa demonstração clara e inequívoca de dignidade, retidão de caráter, força e persistência, deixando gravado em letras indeléveis à posteridade os mais sólidos e reais exemplos de vida que se encontram apenas na lide honrada uma vez que somente por este caminho o homem consegue escrever o seu próprio nome nos anais de uma história igualmente digna e longeva.
 
Lutador incansável pelos direitos de seu povo, íntegro, transparente, correto em todas as suas atitudes, honesto até a medula, numa época em que a mosca varejeira já sobrevoava o mundo da política, Jacinto Silveira conduzia os destinos do povo Brejeiro para o porvir, assim como Moisés do Egito o seu povo rumo à Terra Prometida. Jamais perdeu uma eleição. O Brejeiro daqueles tempos sabia reconhecer os valores inalienáveis daquele homem e o tinha como a um verdadeiro Líder. E como tal ele se comportava: respeitador e cerimonioso, de falar pausado, mirava sempre nos olhos do interlocutor e não o interrompia enquanto falava. Firme, convincente e assertivo. Jamais tergiversou ou se utilizou de meias verdades para expressar o seu pensamento. Era homem de posições claras e definidas. Benevolente e despojado, servia a todos com amor sem pedir nada em troca. Disciplinado, sabia ser enérgico sem ser jactante. Muitos foram os Governadores de Estado que utilizaram o prestigio de Jacinto. A palavra dele era uma ordem e nela todo e qualquer Brejeiro acreditava cegamente por que Jacinto a proferia com clareza e nunca deixou de cumpri-la.
 
Jacinto Alves da Silveira foi, até hoje, o único capaz de reunir todos os predicados que habilitam qualquer individuo a afirmar ter vivido a vida em toda a sua plenitude na prática do bem. Descendente de famílias de Ouro Preto, assim como Pena, Oliveira, Dias, Xavier, entre outras, Jacinto, um dos muitos filhos do velho Fazendeiro José Alves da Silveira, nasceu no Brejo, lá pelos idos de 1871, quando o Brejo sequer sonhava em ter as feições de hoje. Assemelhava-se, muito mais, ao longínquo dois de novembro de 1704, quando não passava de uma vasta mata às margens dos rios Verde Grande, São Domingos e Gorutuba, onde Antônio Gonçalves Figueira fincou pela primeira vez, ao lado da Lagoa das Pedras, o imenso cruzeiro que marcaria para sempre, no tempo e no espaço, o inicio de uma nova era. Jacinto, ao contrário de seus outros irmãos que eram todos Fazendeiros, desde a infância, apesar de rústico, já se revelava muito inteligente, quando lia, escrevia e realizava cálculos difíceis até mesmo para quem tinha a mais elevada cultura. Era, desde aqueles tempos, um iluminado, na mais clara e límpida definição do termo.

Alto, bigodes aparados e cabelos cortados à escovinha, Jacinto trajava-se sempre de brim-cáqui. Em sua juventude percorria no lombo do cavalo por estradas de chão batido, a longa distância de 270 quilômetros conduzindo grandes manadas de gados de corte que eram vendidas na cidade de Curralinho, hoje, Corinto, situada ao norte de Minas Gerais. Com 24 anos conheceu e casou-se com a normalista Maria Luiza de Araújo, na velha Matriz de Montes Claros, no dia 16 de Novembro de 1895. Maria Luiza foi durante toda a vida, sua fiel e inseparável companheira, a qual foi responsável pela condução dos destinos do povo brejeiro no campo da educação e cultura, enquanto Jacinto preparava esse mesmo povo na política e principalmente para a emancipação administrativa do Brejo. Jacinto foi o primeiro presidente da primeira legislatura municipal brejeira, 1924/1930, que era composta pelos seguintes vereadores: Padre Augusto Prudêncio da Silva, Francisco Fernandes de Oliveira, José Dias Pereira Zeca, João de Deus Dias de Farias e Rogério da Costa Negro, este último, um grande comerciante do ramo de tecidos.
 
Rico, dono de várias fazendas de gado e cultivo, casas comerciais e muitas outras fontes de renda, Jacinto Alves da Silveira, homem que durante toda a existência sempre teve a casa cheia de amigos e correligionários aos quais sempre ajudava com recursos pessoais, sem qualquer interesse ou apego material senão ao simples prazer de servir. Bancava, do próprio bolso, inúmeros candidatos em campanhas eleitorais caríssimas. Depois de ter custeado a emancipação do Brejo das Almas onde, também, doou ao estado prédios de sua propriedade para comporem a Sede Administrativa e o Conjunto Arquitetônico do Município, condição esta indispensável a sua aprovação e homologação, morreu, no entanto, pobre, mas digno e praticamente só, tendo ao seu lado apenas os familiares mais próximos.
 
Não é sem motivo que um de seus filhos, o também Coronel Geraldo Tito Silveira, assim se expressa em um de seus lindos libelos, referindo-se as indiferenças das quais fora vitima o pai: “Nos áureos tempos de sua vida abastada, quando ele plantava as sementes de uma pequena fortuna, depois esbanjada nos ardores da política, feita somente para o bem-estar de outrem, sua casa solarenga vivia repleta de “amigos”. Até então, não se via pela estrada real, que ia dar à Bahia, uma só pousada ou hospedaria, de modo que os forasteiros que por ali passavam procuravam a casa do Coronel Jacinto, onde recebiam todo o conforto, gratuitamente. Muitas dessas pessoas eram acometidas de terríveis pestes inclusive febre brava!”.
 
E arremata o grande escritor do Norte de Minas, Geraldo Tito Silveira, agora lamentando mais uma grande injustiça com a qual brindaram o pai. Aliás, muito já falei sobre tal injustiça que espero um dia, quiçá nessa atual encarnação ver corrigida: “Como corolário da ingratidão dos homens, mudaram o nome de Brejo das Almas, não para perpetuar o nome de Jacinto Silveira, na terra que engrandecera, mas para honrar o nome de outro Brasileiro, Ilustre, é verdade, mas que nada fizera por ela.”. Refere-se ao Doutor Francisco Sá, (1862-1936), nascido na fazenda Brejo de Santo André, que naqueles tempos pertencia ao Município de Grão Mogol e que foi Ministro da Viação e levou a Estrada de Ferro Central do Brasil até Montes Claros, esta sim, muito lhe deve.
 
Servidor nato e dedicado que jamais guardou mágoas ou fugiu à luta, não obstante toda a ingratidão que recebeu, em virtude de seu incondicional amor pelo Brejo e seu povo, se realizassem hoje uma chamada oral convocando homens de bem a colaborarem com qualquer causa que tivesse por objetivo o bem comum, a justiça social, a luta contra as desigualdades dos menos favorecidos, alguém, digno, decente, probo e humano em quem, todos nós pudéssemos nos espelhar, ao gritarem o nome “Jacinto Alves da Silveira!”, com toda certeza ouviríamos, prontamente, em algum lugar do Brasil a voz firme, forte e determinada do coronel e grande Líder Brejeiro:
 
“Presente... Eis-me aqui!”.
 
E tenho dito.
 
*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo das Almas.
 


Escrito por enoquerodrigues às 20h57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COISAS DO BREJO - GARAPAS I

COISAS DO BREJO - GARAPAS BREJEIRAS I


Coisas do Brejo – Garapas Brejeiras I

*Enoque Alves Rodrigues

Herança de nossos antepassados que aqui se aportaram com suas caravelas, ainda hoje, esporadicamente, aqui e ali, se cultiva no Brasil e principalmente no norte de Minas Gerais, a tradição milenar dos engenhos artesanais que em sua maioria são aqueles cuja moagem é feita mediantes tração animal ou especificamente por algumas cangas de bois quando se quer produzir em grandes escalas melado, rapadura, mascavo, doce, “puxa”, cachaça, etc.

Em meus tempos de menino quaisquer famílias detentoras de um pequeno pedaço de terra se destacavam pelo cultivo da cana de açúcar e a sua posição econômica era medida pelo tamanho do engenho que tinha assim como pela quantidade de cangas, trelas ou parelhas de bois que utilizavam aos seus serviços.

No Brejo das Almas ou Francisco Sá e suas adjacências as moagens se iniciavam lá pelo mês de Julho e se estendiam até o mês de dezembro absorvendo mão de obra excedente e barata que, via de regra, tornava-se obsoleta imediatamente após o término das atividades nos engenhos. Durante a colheita e moagem da cana famílias inteiras se acorriam ás fazendas por que sabiam que em todas elas havia o fator gerador de seus estipêndios com os quais pelo menos durante aquele semestre supririam suas necessidades mais elementares. O “ganhâme” era pouco, mas o trabalho pesado que as mantinham era constante e com isso dava para ir enganando o estômago. Todas as fazendas iniciavam ao mesmo tempo a moagem da cana quando o cantar dolente das moendas em sinfonia perfeita, ecoava pelas quebradas do sertão sem fim. Eu ficava extasiado naquele mundo e me sentia como se os meus pés tocassem o solo de outro planeta.

Mantendo a tradição, o meu avô que possuía um bom pedaço de terra também tinha o seu engenho. Portanto, conheço muito bem essa rotina de perto, pois com ela convivi em infância. Aliás, várias foram as oportunidades em que me referi aos engenhos do meu avô em minhas crônicas e livros. Por que era uma rotina no mínimo curiosa até mesmo para quem “é do meio.”.

No caso particular do meu avô e seu engenho, ao contrário do que muitos possam pensar, os preparativos se iniciavam em Janeiro de cada ano á partir da seleção e treinamento “workshop” dos bois e composição de seus respectivos pares com os quais iriam conviver por longos seis meses. Tinha de existir uma química entre as parelhas e esta química se aferia desde a sintonia dos olhares passando pela arrancada ao mesmo tempo em obediência á ordem do tocador até a manutenção do mesmo ritmo de puxamento á nova ordem de parada ou “break” para um “lanche ou café” dos dignos colaboradores ruminantes, bem como dos humanos que não ruminam, mas também são filhos de Deus e não são de ferro, pois saco vazio não para em pé. Soma-se aos preparativos dos bois ás cangas em madeira leve e macia que o meu avô talhava com toda maestria e carinho para não machuca-los. Relhos e ferrões ou qualquer efeito coercitivo não existiam ali. Todos trabalhavam ordeira e prazerosamente sem imposição alguma por que todos ali tinham conhecimento e consciência plena de suas importâncias e tarefas que coroariam com êxitos a busca obstinada da excelência no final da jornada.

As atribuições hierárquicas desenvolvidas pelos seres humanos dentro de um engenho em plena produção é algo hoje impensável e seguramente difícil de acreditar razão pela qual me poupo de me aprofundar em sua narrativa pela complexidade que incansavelmente já expliquei ou pelo menos tentei explicar em crônicas antiguíssimas e mais recentemente em meu livro “O Brejo das Almas em Crônicas”. Para lhe refrescar um pouco as ideias as atividades interativas (por que em um engenho de verdade não existe ninguém trabalhando só, isoladamente) lembram, e muito, o trabalho de formiguinhas em seus habitat.

Enquanto no canavial um caboclo corta a cana o outro a transporta para o carro de bois onde outro caboclo depois de acomoda-las ordena aos bois para que puxem o carro até o engenho aonde outros bois esperam para triturar a cana convertendo-a em bagaço. Chegando ao engenho outro caboclo (o singular que utilizo é uma mera “licença poética” por que em um grande engenho tudo é superlativo. Tudo é no plural) limpa a cana e leva até as moendas que após moê-las subtrai-lhes, à exaustão, determinado “líquido dos deuses” que ainda em sua fase primitiva recebe o nome nada pomposo de “garapa” o qual, felizmente, ostenta por pouquíssimo tempo ou somente enquanto percorre dentro do cocho a distância entre ás moendas e o tacho de bronze fumegante pelo fogo nos fundilhos. Dali, ela, a garapa, vai passar por várias mutações e metamorfoses de acordo com a determinação do dono do engenho que fica muito difícil imaginar que o produto final no qual resultou tudo aquilo foi garapa algum dia.

É uma caminhada escalonada e progressiva a que a garapa empreende desde que sai da cana e a cada ponto por ela atingido é um produto pronto e acabado. De posse de uma cuia escumadeira ou espumadeira, com a qual se retira a espuma, quem determina o ponto certo e a qual produto o mesmo corresponde é uma cabocla ou caboclo, no meu tempo era cabocla fêmea que recebia o nome de “viradeira de garapa”, em alusão ao vai-e-vem frenético de sua enxada de madeira que revirava a garapa transformando-a em estado sólido sem queimar ou endurecer precocemente o que seria uma perda total da taxada.

O ponto que mais me atraia na taxada e que eu esperava ansiosamente era o segundo ponto. Você sabe qual é o segundo ponto da garapa? Não?

Pois é exatamente o ponto onde a garapa atingiu o estado semissólido que é aquele onde se faz a puxa e os doces antes de ela endurecer o coração nas formas de madeira que a transformam em rapadura que como todos sabem, é doce, mas não é mole. Poderia discorrer longamente sobre ás mil e uma utilidades da cana e seus derivados, bem como nominar cada etapa de seus produtos. Mas fatalmente eu não poderia fazê-lo sem chegar à “mardita” que me reservo o direito de me abster pelo fato de jamais ter ingerido álcool e não vou aqui fazer apologia ou propaganda de algo do qual não sei o gosto. Fazer cachaça eu sei. Beber cachaça, não.

Sinceramente, não sei se em meu Brejo das Almas ainda há engenhos. Se existem é certo que não são como descrevi. É possível que assim como as mutações e metamorfoses pelas quais passam a cana na confecção de seus produtos, os engenhos brejeiros hoje não devem ter o menor resquício do que foram antes. Perderam status. Suas moendas outrora barulhentas emudeceram. Não cantam mais. Gostaria muito que em minha próxima ida ao Brejo das Almas algum local me apresentasse a um engenho para que eu o compare com a imagem do que restou no fundo de minhas reminiscências.

E tenho dito!

*Enoque Alves Rodrigues é Brejeiro de nascimento.


Escrito por enoquerodrigues às 20h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O BREJO DAS ALMAS E AS SECAS DA MINHA INFÂNCIA

O BREJO DAS ALMAS E AS SECAS DA MINHA INFÂNCIA


O BREJO DAS ALMAS E AS SECAS DA MINHA INFÂNCIA

*Enoque Alves Rodrigues

O período de escassez de chuvas que atualmente assola grande parte do Brasil onde se destacam por ordem de intensidade os Estados de São Paulo e Minas Gerais me transporta ao querido torrão natal de Brejo das Almas dos meus tempos de menino, quando, munidos de garrafas com água e guiados por dona Lú (Maria de Lurdes), saiamos da Vila Vieira, antiga Lagoa, em novenas intermináveis onde, depois de passarmos pelo Centro do Brejo e largo da Matriz, seguíamos em direção ao morro da Caixa D’agua onde depositávamos aquelas garrafas contendo o mais precioso líquido juntamente com as nossas esperanças de que a entidade responsável pela torneira que faz chover nos atenderia. Quanto mais o Homem lá de cima aquecia o seu maçarico mais nós rezávamos aqui em baixo. Tempos difíceis àqueles onde o sol não dava tréguas ardendo sem dó e piedade no lombo do caboclo.

 Graciliano Ramos dizia que as secas se diferem uma da outra apenas pela sua duração por que todas as secas são iguais por afetar diretamente o que o sertanejo tem de mais sagrado: a roça, o sustento e a dignidade.

A seca que estamos vivendo nos dias atuais em Minas e em São Paulo além de ser uma das mais longas em quase 80 anos é sem duvida alguma a mais grave e prejudicial por que afeta todos os setores da economia, impactando, invariavelmente, na conta de todos que além de ter de conviver com a falta d’agua para suprir necessidades básicas de sobrevivência terá de arcar com os aumentos escorchantes dos produtos que certamente irão reduzir o feijão na mesa do pobre e a água que o rico esbanjava lavando seus carrões. Foi-se o tempo em que as secas as quais se referia Graciliano castigava só o sertanejo. Naquela época o homem nascia, vivia e morria no campo onde produzia safras que consumia e vendia o seu excedente aos pequenos e grandes centros urbanos. Hoje não. Com o êxodo rural que aos poucos foi tirando o homem do campo devido á absoluta falta de oportunidades de lá seguir produzindo, empurrou-o para a cidade com a cabeça cheia de esperança de dias melhores que na maioria das vezes não passa de uma vã ilusão ou utopia, pois as barreiras com as quais o sertanejo que não foi preparado para viver na cidade terá de enfrentar superarão, e muito, as que dificuldades que ele, outrora, galhardamente driblava no cultivo da terra seca.

Não entrarei no mérito da crise do desabastecimento de água de São Paulo ou do nível do Cantareira. Vivo em São Paulo, mas sequer sei onde fica essa joça. Isso, no entanto pouco importa. O que importa é que independente da gravidade destas estiagens faltou gestão e sobrou incompetência do Governo. Faltou consciência e sobrou desperdício do povo. Mas, nem mesmo isso me interessa já que não escrevo sobre São Paulo.

Voltando para o meu Brejo das Almas, vejo o esforço hercúleo que as autoridades estão fazendo para amenizar o impacto desta terrível seca na vida de seus cidadãos munícipes. Os rios principais que banham a cidade de Francisco Sá estão minguando. Queira Deus não desapareçam completamente. Córregos que antes corriam o ano todo agora estão secos. Há partes que sequer se consegue acreditar ter existido água algum dia. Lagoas e Brejos que dão nome ao meu rincão querido se esturricaram há muitíssimo tempo.

Materialmente diríamos que a situação é desesperadora e que beira a calamidade não fosse à fé que ainda temos na Providencia Divina. Quando as ações humanas não tem muito que fazer, ou avançar, a alternativa mais sensata que se tem além de seguir lutando com todas as forças, é contar com a ajuda de Deus que a ninguém despreza e no final acaba sempre fazendo o melhor, contemplando-nos com a graça das sonhadas chuvas. Isso já ocorreu com as novenas de Maria de Lurdes que narrei em uma de minhas crônicas antigas.

Sejamos perseverantes em nossos melhores propósitos, confiando, primeiro em Deus e depois naqueles que tem ás mãos os destinos do nosso Brejo das Almas. Teremos muito em breve água farta. É questão de tempo.

Enquanto isto não acontece, retorno-me, em sonhos, á minha infância Brejeira e vou solvendo, lentamente, os momentos felizes onde vejo ás enchentes do rio São Domingos com suas águas barrentas que, qual avalanche, traz em seu leito, serra abaixo, troncos e toras, peixes e sapos que dispensa, violentamente, no rio verde grande. Ao norte da minha cidade vejo na elegância dos seus bancos de areia o rio Gorutuba onde aproveito para descansar. Ainda ao norte correm piscosos os córregos do carrapato, sitio novo, ribeirão de cana brava, o córrego do pau preto, do brejão, mamonas, traçadal e do quem-quem. Já ao sul da “beldade do norte de Minas” onde nasci, observo caudalosos, rio boa vista, vaca brava, córrego dos patos, rio caititu (olha o capitão Enéas ai, gente!), o rio da prata e o córrego rico. Vejo ainda no caminho de Salinas a lagoa da barra. E o que dizer da lagoa das pedras e seus encantos?

Que tristeza que tudo isso não passa de um sonho. Que alegria por a seca ainda não me ter roubado o dom de sonhar. Quanta decepção ao acordar e constatar que o meu sonho não é uma realidade. Quão incomensurável é a minha felicidade em saber que os meus olhos um dia presenciaram tão maravilhosos acontecimentos. Pena que as minhas retinas de menino não “reteram” tudo aquilo. Via com naturalidade o infinito na finitude das coisas e tempos e imaginava que aquelas belezas jamais se acabariam.

Eu era feliz e não sabia!

E tenho dito.

*Enoque Alves Rodrigues nasceu no Brejo das Almas.


Escrito por enoquerodrigues às 09h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Figueira e o Brejo das Almas

Figueira e o Brejo das Almas

*Enoque Alves Rodrigues

Quando no dia 30 de Outubro de 1672 o Sertanista Antonio Gonçalves Figueira, Paulista nascido em Santos, filho de Maria Gonçalves Figueira e de Manoel Afonso Gaia fez sua primeira viagem integrando a expedição das esmeraldas liderada por Fernão Dias Paes e Borba Gato rumo ao norte de Minas Gerais, aquela localidade nada mais era senão um amontoado de matas virgens onde apenas índios e a pintada reinavam. Figueira tinha fama de grande caçador e quando saia à caça jamais voltava de mãos abanando.

Nesta sua primeira viagem em uma expedição a qual ficaria eternamente gravada nos anais da história em consequência de vários e insólitos episódios o grande Antonio Gonçalves Figueira, nada mais era senão um simples ajudante de ordens de seu cunhado Matias Cardoso de Almeida, Tenente naquela expedição. As atribuições de um ajudante de ordens daqueles tempos se restringiam a preparar as montarias para mais graduados montarem além de se responsabilizar pelos suprimentos da tropa incluindo ai as caçadas com as quais a alimentava bem como da cozinha onde preparava o rango da moçada.

Esta primeira expedição serviu-lhe muito mais como experiência do que não deveria fazer caso fosse o desejo lograr êxito na busca das esmeraldas e outras pedras preciosas por que ao contrário do que lhe ocorria quando saia à caça voltou de mãos abanando por que nenhuma pedrinha sequer conseguira colher. Na volúpia em busca das verdinhas o Bandeirante Fernão desembestou-se pelos lados da Bahia enquanto que Figueira, seu cunhado Matias Cardoso retornaram a São Paulo para reestudarem novas tentativas que de fato viriam a efeito nos anos de 1.694 e 1698, quando, finalmente definiram um rumo certo: o norte de Minas Gerais ou especificamente em Itacambira ou mais especificamente ainda na Lagoa Vapabuçú onde segundo davam conta às más línguas o próprio Fernão, assim como havia passado e colhido algumas pedras assim como muito antes haviam feito Sebastião Tourinho e Antonio Dias Adorno.

Só que também desta vez o trem não deu nada certo para eles por que na tal Jaíba coberta por matas densas e fechadas bem como por vegetações rasteiras idênticas rodeadas, pra variar, pelos montes claros que mais se pareciam com as torres gêmeas de tão iguais que eram acabaram por desorienta-los por que por mais que andassem acabavam saindo sempre no mesmo lugar. Aborrecidos e extremamente desapontados depois de darem sete voltas retornando sempre ao mesmo ponto de partida (hoje essa localidade se chama sete passagens), acabaram por abandonar a expedição das esmeraldas a qual ainda permaneceu por ali durante sete anos, tendo cada qual formado sua pequena expedição sendo que a do Figueira composta por 1000 homens ganhou os rumos do rio verde grande onde se acampou e a expedição de seu cunhado Matias retornou á São Paulo margeando o rio grande passando por Miguelópolis até chegar ao vale do Paraíba do Sul onde conseguiram umas pedrinhas chinfrins, mas reluzentes.

As coisas não estavam boas para os lados de Figueira. De Santos chegou-lhe a notícia levada que foi por um mensageiro no lombo de um burro que sua mãe havia morrido. Ele, perdido naquela vasta região do norte de Minas não havia até então conseguido nada de mais significativo senão vários bornais de pedras que imaginava tratar-se de turmalina, um parente meio próximo da esmeralda. Havia ouro sim, metal preciosíssimo que ele não muito interessado colhia. Os patacões saltavam-se das entranhas da terra qual mamona estalando em nosso agreste calorento. A fome do ouro com o qual saciavam a fome do maldito El Rei de Portugal já havia ainda não havia passado, mas a moda agora era mais para as esmeraldas e turmalinas. Por isto fazendo couro á imensa expedição de Fernão Dias Paes Leme a de Figueira se denominava esmeraldinha.

Antonio Gonçalves Figueira acabou dono de uma vasta faixa de terras subdividida em várias fazendas denominadas de Jaíba, Olhos D’água e Colônia dos Montes Claros. Foi com a intenção de unir os Montes Claros á região do rio Gorotuba e de lá até a Bahia, que ele aos treze dias do mês de outubro de 1704 organizou uma diminuta expedição composta de apenas vinte homens partindo em direção ao nordeste quando depois de percorrer vários dias entre idas e vindas ou mais vindas que idas porque seguia se perdendo e voltando sempre ao mesmo lugar, caindo e se levantando, na histórica tarde do dia 2 de novembro daquele mesmo ano sem mais nem menos, inesperadamente, viu-se na barriga da serra do catuni, ao lado de uma linda mais singela lagoa que desaguava em um riacho com nascentes naquela mesma serra, cuja lagoa se denominava "das pedras" que ao contrário do que ele pensava e buscava, não eram preciosas, mas pedra mesmo.

Por ser já tarde, dormiu por lá onde também por ser dia de finados acabou por fincar um cruzeiro de madeira tosca ao pé do qual ele juntamente com os seus vinte comandados rezou e que batizaram de "Cruz das Almas das Caatingas do Rio Verde", onde algum tempo depois construíram uma pequenina Igreja onde depositaram a imagem de São Gonçalo que veio se tornar patrono do lugar. E o resto da história todos conhece. É de domínio público.

O Capitão Antonio Gonçalves Figueira (outros historiadores utilizam "Figueiras") não era, efetivamente, o que podia se denominar de um destemido e inteligente Bandeirante, mas, convenhamos, justiça lhe seja feita, não fossem suas trapalhadas, seus perdidos, sua falta de foco e ausência total de bússola, jamais teria chegado um dia ao meu, ao nosso e ao seu Brejo das Almas querido. Quiçá, tivesse realizado outras descobertas em outras plagas lá pelos lados da não menos querida Bahia. Mas, quis Deus que ele não fosse tão longe e assim conseguiu, mesmo sem querer, querendo, dando-nos de presente o Brejo das Almas, ou Francisco Sá, "beldade do norte de Minas", que hoje cresce a cada dia, sonhando, feliz, a cada despertar, com a aproximação do dia em que real e definitivamente se cumpra mais um vaticínio daquele "Bandeirante trapalhão" quando disse que o lugarejo se tornaria um comércio próspero, não só pela sua posição geográfica, como também pelas riquezas naturais de suas terras.

Que Deus o ouça.

E tenho dito!

*O autor nasceu no Brejo das Almas

 

 

 

 

 

 



Escrito por enoquerodrigues às 10h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




FRANCISCO SÁ E AS REDES SOCIAIS EM SUA DIVULGAÇÃO

FRANCISCO SÁ E AS REDES SOCIAIS EM SUA DIVULGAÇÃO


*Enoque Alves Rodrigues

De 2004 até 2009 mantive dois blogs hospedados em sites da Editora Abril, aqui em São Paulo, hoje desativados. No primeiro, denominado “Isto é Espiritismo”, repercutia, sem proselitismos, a Doutrina Espírita disseminada por Kardec, na França, em 1854. Já no outro blog, “Gente, Causos e Coisas do Brejo”, divulgava Francisco Sá, o querido Brejo das Almas. Nele escrevia minhas crônicas quinzenais, hoje vertidas para o livro, “O Brejo das Almas em Crônicas.”.

Quando em 2009 a Abril extinguiu aqueles sites após tê-los mantido por quase cinco anos no ar, jaziam, no registrador de visitas do blog “Gente, Causos e Coisas do Brejo”, para minha total surpresa e decepção, apenas e tão somente a bagatela de 212 acessos. Uma ninharia, suficiente para desmotivar qualquer mortal que se propõe a escrever algo. Pois, o mínimo que alguém que se atreve a escrever alguma coisa, despretensiosamente, espera, é que outros leem e, se possível, comentem o que se escreveu. Aliás, entendo que faz parte de uma boa educação, manifestarmos através de um simples recado ou comentário, toda vez que acessarmos a página de alguém. É uma maneira de dizermos: “Olá, estive aqui. Visitei sua página rapidamente. Um abraço. Fui!”.

 No caso em tela, seria muito de minha parte desejar que alguém comentasse, visto que ninguém lia, porque ninguém acessava. O pior, no entanto, já havia ocorrido. Em 2006, criei no Orkut duas comunidades que ainda existem: “Alô Brejeiro!” e “Francisco Sá, Meu Amor!”. Pois é... Fiasco total. Até hoje o único acesso que consta lá é o meu próprio. Para a pergunta que postei: “você conhece Francisco Sá?” Nenhuma resposta. Ou melhor, uma resposta. A minha: conheço, sim, senhor. E daí, qual é o problema, cara pálida? Triste, não! Mas é a realidade. Minha filha, que naquele tempo frequentava o Orkut, tinha em sua página, inúmeros adicionados, enquanto eu não tinha um sequer em minhas páginas comunidades.

- Filha, quando é que você vai prestigiar o papai com  sua visita a uma de minhas páginas no Orkut?

- Pai, me desculpe, mas com esses títulos estranhos vai ser muito difícil alguém se aventurar. Acho que estas páginas não terão nenhum outro acesso senão o do senhor! Dito e feito. Ainda bem que eu não escrevi mais nada lá. Alias, nem eu sei hoje o que lá se encontra. Nunca mais entrei naquela joça. Só atualizo a minha página pessoal no Orkut por que não posso desativa-la devido ter lá adicionados alguns amigos. Que o Orkut com sua morte anunciada para agosto ou setembro de 2014 se encarregue de extingui-las.

Em maio de 2009 ao visitar meus pais em Burarama, passei, anonimamente, um dia e uma noite no Brejo. Ao retornar para São Paulo iniciei pelo site, “City Brasil”, alguns relatos de pouca relevância sobre Francisco Sá. Hoje este blog se encontra com quase 340 mil acessos. Além dos outros blogs que mantenho alusivos ao Brejo, criados na mesma época, todos eles muito bem frequentados e comentados.

Mesmo com todas as postagens as quais me referi no inicio destas mal traçadas linhas, em 2008, se você jogasse no Google “Francisco Sá”, o resultado da pesquisa trazia um certo Francisco Sá Carneiro, que até hoje não sei quem é. Pois, por não se tratar do meu Francisco Sá, Cidadezinha que se achava perdida nos rincões das Gerais, terra abençoada por Deus que me viu nascer, nenhum outro interesse teria eu em pesquisar ou procurar saber a quem se referia. Por certo, pelo simples fato de esse senhor ostentar o mesmo nome do Ministro da Viação que dá nome ao nosso lugar, já deve ser um grande motivo para fruir de toda felicidade e sucesso. Por favor, não me chamem de bairrista, “porque eu sou”.

No velho Orkut que hoje agoniza, passaram a criar, aqui e acolá, algumas comunidades alusivas ao Brejo das Almas. Nada disso, no entanto, foi suficiente para romper as barreiras virtuais que separavam o nosso Brejo das Almas ou Francisco Sá do mundo incomensurável do WWW (World Wide Web), que em português significa "Rede de alcance mundial". A coisa não engatava ou talvez porque o Brejo não queria “ser alcançado” ou quem sabe, ainda, algum brejeiro, sem querer dividi-lo com o mundo, havia enterrado uma cabeça de jumento aos pés do cruzeiro.

Hoje, no entanto, graças aos esforços e dedicação de todo o nosso povo, a coisa mudou radicalmente. Se você digitar “Francisco Sá”, receberá de volta uma grande enxurrada de referências sobre a nossa Cidade. Com o advento do facebook e twitter, então, as comunicações ganharam muito mais velocidade. Ferramentas poderosíssimas que entre suas incontáveis funções colocam vários indivíduos online, repercutindo, ao mesmo tempo assuntos, ás vezes de pouca importância aparente, mas que, lá no fundo, ao se analisar melhor, se constata, surpreendentemente, que a principal missão dos idealizadores de tais ferramentas está sendo cumprida ao pé da letra: aglutinar pessoas, aproximando-as cada vez mais uma das outras. Transportando-as para as diversas partes do Orbe sem que precisem tirar um só pé do chão. De deslumbramento comedido, uma vez que encaro tudo na vida com naturalidade, deparo-me hoje com as facilidades que não existiam antanho. No Oriente Médio abro um simples computador de mão em meio a uma rua qualquer de Bagdá e de lá meus olhos veem a desfilarem-se no canto direito da pequena tela, “tops” ou curtas mensagens me informando que alguém, em um ponto qualquer do Planeta, curtiu ou comentou o meu link. Que há alguém querendo me adicionar a fim de ter-me como seu novo amigo. Com dois cliques sobre um link e em átimos de segundos estou dentro do Brejo. Volto para o facebook e os “tops” continuam me informando: Que o Brejo agora tem um Centro de Memórias. Que voltou a produzir alho como antes. Que as onças do Catuní voltaram a atacar rês. Que lá em “Capivara” a dita cuja que dá nome ao povoado foi extinta. Que no morro não há mais mocós. Que dos dois riachos só ficou um. Que o uivo dos ventos que varriam as ruas do Brejo emudeceu. Que as águas do Gorutuba e São Domingos estão secando. Que Lagoa Seca transbordou-se. Que a Vaca Morta acaba de ressuscitar, etc. Com o deslizar do mouse sou remetido a fotos antigas dos Padres Augusto, Silvestre e Salustiano, da Casa Viena, do Mercado Velho, do Cel. Tito, de Feliciano, filho de Lauro, de Denilson criança, de Karla Celene, neta de Edith e Antonio, de Wanderlino, em tarde de autógrafos na bela MOC, etc. Com mais dois cliques vejo e ouço um conterrâneo vereador, ao vivo e em cores, aos berros, em acalorado discurso na Câmara Brejeira, em defesa de Munícipes menos favorecidos. Dois cliques mais e sou transportado para o mais completo e bem elaborado jornal regional. Trata-se de “O Jornal de Francisco Sá”, do amigo Flávio Leão. Aqui, sem que seja necessário que eu dê qualquer clique, mas apenas com a barra de rolagem, vejo-me, como que por encanto, literalmente no Paraiso. Em meio a beldades, formosas mulheres, com olhares ternos e inocentes de quem acaba de deixar a adolescência, dignas representantes da mais pura “beleza brejeira”. Estou extasiado. Não... Não vou mais navegar... Navegar não é mais preciso. Quem gostava de navegar era o Cabral e nós sabemos aonde ele foi parar. Perdeu-se pelos caminhos “tortuosos” das índias e acabou “dando” aqui. Quanto a mim, cheguei, finalmente, ao meu Porto Seguro que é este céu e estou rodeado por anjos e divas sob intensos cafunés. Daqui não saio. Daqui ninguém me tira. Não mais desperdiçarei o meu precioso tempo com agenda apertada, compromissos inadiáveis, cálculos matemáticos precisos e outras preocupações naturais de vocês terráqueos. E que o sol da minha vida e razão maior do meu existir, a dona Teresa, não me leia. Amém!

Voltando à realidade atual podemos afirmar com toda convicção que mesmo a passos lentos, ciberneticamente falando, Francisco Sá, o nosso Brejo das Almas, hoje é conhecido no Mundo. Quanto aos méritos, são de todos nós, seus filhos, que sempre nos orgulhamos em levar adiante a sua divulgação.

Valeu peixe!

*O autor nasceu em Francisco Sá, Brejo das Almas, Minas Gerais, Brasil.


Escrito por enoquerodrigues às 09h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




EXEMPLOS DE UM BOM BREJEIRO – PARTE III

 

EXEMPLOS DE UM BOM BREJEIRO PARTE III

 

 

*Enoque Alves Rodrigues

 

- Bom dia, irmão Laudelino...

 

- Deus seja louvado!

 

- Ontem, à noite, escutei na Rádio Nacional do Rio de Janeiro que o homem desceu na Lua...

 

- Mentira... Deus não daria tanto poder e inteligência ao homem!

 

- Foi a Rádio quem disse...

 

- A Rádio mentiu!

 

- Acredito que neste ano faremos uma farta colheita...

 

- Isso sim, é verdade... Deus seja louvado!

 

- O senhor precisa se juntar a nós durante ás refeições. Há sempre uma cadeira para o senhor...

 

- Não posso. Não sou digno de tanta reverência. Já lhes dou muito trabalho. Basta as minhas limitações físicas causadas pela velhice que não me permitem colaborar com vossa pessoa e família nos muitos afazeres da casa...

 

- Não se preocupe irmão. Deus já nos deu mais que o suficiente que é a saúde para que possamos trabalhar com fervor. De nossa parte não nos é nenhum esforço ou favor ampara-lo. Ficaremos agradecidos se pudermos suprir vossas necessidades. Quero que saiba que tudo que temos também lhe pertence...

 

Pronto... A sorte estava lançada, por que a simples citação do nome do Criador por parte de Liberato, meu avô, já era a senha de acesso a todos os segredos que levavam aqueles dois senhores de barbas brancas a intermináveis conversas que, via de regra, varavam noites. Não obstante as elevadas culturas de ambos, amealhadas na grande universidade da vida, além de professarem a mesma doutrina, raramente seus pontos de vista se convergiam. Convencionaram entre si, por quais critérios eu jamais soube, só iriam dormir quando finalmente chegassem a um acordo. Enquanto isso não ocorria o céu era o limite. Eu, criança ainda, admirador confesso do meu avô, ficava ali, de plateia, observando tudo aquilo e, na maioria das vezes, torcendo para que eles jamais se entendessem para que eu pudesse solver um pouquinho mais do conhecimento de cada um. Ás vezes eu apostava comigo mesmo... Quem afinal cederia? Quem concordaria com quem? De quem seria a palavra final? Frustro-me confessar, cinquenta anos depois, que eu dificilmente acertava. Os caras eram foda mesmo, e quando um já se considerava vencedor ou detentor da palavra final que encerraria a celeuma, o outro, inesperadamente, "levantava uma questão de ordem qualquer" e, bíblia em punho, com o indicador apontando capítulo e versículo que sustentavam suas afirmativas na dita cuja, começava tudo de novo. Enquanto eu cochilava, dormia e acordava o "embate" corria solto, principalmente nas noites de sextas-feiras por que, como adventistas, não trabalhavam aos sábados, ou seja, o meu avô não trabalhava aos sábados já que Laudelino, como já disse, nunca trabalhava por suas limitações. Era exatamente assim: cada qual se munia de sua bíblia e toda e qualquer discussão, dúvidas e acertos eram elucidados mediante as claras letras do livro sagrado. Fora dele não havia conversa. O diabo é que como acontece ainda em dias atuais, cada um a interpreta á sua maneira o que seria até aceitável, porque difícil e complicado se torna quando um quer convencer o outro de que certa e inquestionável é a sua interpretação. Ai o bicho pega mesmo.

 

Naquela noite a coisa parecia que ia ferver. Aqueles dois senhores do bem se miravam, de soslaio, como se fossem fulminar o outro.

 

O tema era "festa das cabanas.". Se você não é ou nunca foi adventista "quatrocentão" não vai saber do que estou falando. Isso vem do Velho Testamento. É coisa antiga, mas que era costume daquela época já longínqua. Também não vou te explicar por entender subjetivo. O mineirismo é proposital.

 

Pois é, Laudelino tentava convencer Liberato, meu avô a respeito da origem ou de como, quando e onde começou a primeira festa das cabanas. Dizia Laudelino que foi Abraão no Egito, "um bilhão" de anos antes de Cristo. Já Liberato afirmava categoricamente que quem celebrou essa "p" pela primeira vez foi Moisés, rumo à terra prometida, e que o fez para comemorar as farturas, etc., que data e local jamais poderiam ser as mencionadas por Laudelino por que o tal de Moisés nunca antes pisara aquelas terras. Já de inicio se percebia que aquela noite seria longa. Que o tema seria demasiadamente polêmico e que os dois debatedores não estariam dispostos a cederem. Que não abririam mão de suas minucias em beneficio do outro. Quando minha Dindinha (avó) percebia isto, corria à cozinha e preparava chás, biscoitos, água e leite que deixava sobre a mesa à disposição do marido Liberato e do irmão Laudelino que, envolvidos nas acaloradas discussões nunca tomavam conhecimento daqueles mimos.

 

Cinco horas da manhã. De tanto molharem o dedo para folhear a bíblia estavam com a boca seca. Mesmo assim não se entregavam. Não se deixavam convencer. Os argumentos eram inconsistentes no entendimento de ambos.

 

Esgotado apesar de curioso para assistir aquele final, acabei dormindo. Ao me despertar ás 10 horas vi que o meu avô repousava sobre um velho catre que ficava na sala não obstante ser este mobiliário próprio de dormitório, enquanto que o irmão Laudelino dormia, a sono profundo, sobre duas cadeiras à guisa de cama. Frustrado e mais que desiludido por ter "perdido o ultimo ato" perguntei ao meu avô quem havia vencido. E ele, para minha surpresa e felicidade tranquilizou-me: Não se preocupe Noquinho. A peleja ainda não terminou. Combinamos apenas uma trégua a fim de descansarmos um pouco para, quem sabe, liquidarmos esse assunto hoje á noite... O irmão Laudelino é muito sabido, mas um pouco "cabeça dura!".

 

- Perdão, meu Deus!... Exclamou meu avô, dando três tapinhas na boca. Eu não queria dizer isto!

 

 

* O autor é Brejeiro de nascimento.

 

 



Escrito por enoquerodrigues às 09h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, VILA PRUDENTE, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Arabic, Livros, Música
Outro -
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  City Brasil_Enoque_Francisco Sá
  http://enoque.rodrigues.zip.net/
Votação
  Dê uma nota para meu blog